Quatro referências para entender a genialidade de Gaudí - Hora

Versão mobile

Quase pronto!23/08/2016 | 06h07Atualizada em 23/08/2016 | 06h07

Quatro referências para entender a genialidade de Gaudí

Exposição do arquiteto catalão abre público no sábado (27) no Museu de Arte de Santa Catarina (Masc), em Florianópolis

Quatro referências para entender a genialidade de Gaudí Barcelona em Português.com/Divulgação
O Parque Güell, em  Barcelona, foi classificado como Patrimônio da  Foto: Barcelona em Português.com / Divulgação

A partir de meados do século 19, Barcelona começava a crescer para além de suas velhas muralhas para se transformar numa das mais estonteantes cidades da Europa. Nessa época a capital da Catalunha vivia o êxtase da prosperidade — graças aos efeitos da revolução industrial — e a burguesia abraçava as artes. É nesse contexto que surge um dos maiores gênios da arquitetura mundial, Antoni Gaudí (1852 - 1926). Arquiteto atento às formas orgânicas, ele entendia que a natureza explicava tudo. Pela primeira vez, parte do legado desse artista-arquiteto será exposto no Brasil. Florianópolis será a primeira cidade a receber a mostra Barcelona, 1900 - uma exibição que irá explicar os processos de criação de Gaudí e o contexto social e artístico que ele viveu. A abertura ao público será no sábado (27).

Leia também
Entenda o esquema de ingressos para a exposição de Gaudí em Florianópolis
Veja como foi a exposição Miró, a Força da Matéria, no Masc em 2015

Mas como mostrar a obra de um arquiteto dentro de um museu de arte? Confira quatro pontos para entender Gaudí e a exposição em Florianópolis:

1 - A efervescência artística da virada do século 20

Um dos curadores da mostra, Raimon Ramis, está em Florianópolis há duas semanas para a montagem no Museu de Arte de Santa Catarina (Masc). Segundo ele, para entender a densidade da obra de Gaudí é preciso entender o contexto cultural que ele viveu e como isso repercutiu em sua criação. Por isso a exposição é dividida em três etapas: o modernismo catalão; Gaudí como desenhista e criador; e finalmente o processo construtivo de Gaudí a partir das maquetes e estudos volumétricos.

O famoso Templo Expiatório Sagrada Família, que começou a ser construído em 1883 e ainda não está pronto Foto: Barcelona em Português.com / Divulgação

O Masc cedeu sua área de exposição permanente, logo na entrada, para que fossem apresentadas 42 obras, entre pinturas e objetos decorativos, feitos por artistas e artesãos da época. Esses trabalhos são como uma ¿fotografia¿ da época de Gaudí.

Já as obras relacionadas ao arquiteto somam 71 peças, dos quais 46 são maquetes (quatro em escalas monumentais) e 25 objetos e mobiliário. Parte desse acervo veio de navio e outra parte de avião.

2 - Uma árvore ou uma coluna estrutural?

Gaudí observava o crescimento das plantas e, dessa forma, procurava entender como uma árvore se mantem em pé e sustenta galhos e folhas. Dentro do Templo Expiatório da Sagrada Família, uma das edificações mais famosas, há exemplos de colunas que imitam o tronco e os ramos de uma grande árvore. A réplica em tamanho real, de 13 metros de altura, veio a Florianópolis e será exposta no jardim do Masc.

3- Os artesãos entendem a natureza

A forma de trabalho de Gaudí era recuperar os processos artesanais. Segundo o curador Raimon Ramis, o arquiteto entendia que os artesãos eram herdeiros de uma tradição ancestral:

— Quando vemos as formas parabólicas de Gaudí, elas remetem às cabanas de campo dos pastores, que eram parabólicas, ou seja, uma abobada feita com arco. É uma peça que se autossustenta. Ele não inventou isso, já existia. Apenas percebeu que era estável — explica.

Fachada da Casa Batló, em Barcelona Foto: CasaBatlló.es / Divulgação

Artesanatos e elementos decorativos concebidos pelos ensembliers (artesãos de alto nível) estarão em exposição e mostram como essas obras dialogam com as criações decorativas feitas pelo próprio Gaudí.

4 - Um arquiteto nada usual e obsessão por maquetes

As maquetes produzidas originalmente por Gaudí se perderam nos anos posteriores à sua morte, devido a incêndios e conflitos (Guerra Civil Espanhola, Segunda Guerra Mundial). Priscyla Gomes, pesquisadora do Instituto Tomie Ohtake (instituição parceira da exposição Barcelona, 1900 no Brasil), explica que as maquetes que serão exibidas são reconstituições do acervo do Museu do Templo Expiatório da Sagrada Família e da Fundação Catalunya-La Pedrera, Gaudí.

Maquete estará na exposição em Florianópolis Foto: Instituto Tomie Ohtake / Divulgação

— Ele desenvolve um processo de estudo pouco usual para um arquiteto e também para a época. Arquiteto em geral se vale de planta e desenho. Ele observava a natureza e extraia a base estrutural. As maquetes eram determinantes, porque era a partir delas que estudava a estrutura de seus projetos.

AGENDE-SE

O quê: Exposição Gaudí, Barcelona 1900
Quando: 27/8 a 30/10 (terça-feira a domingo, das 10h às 21h)
Onde: Masc, no CIC (Av. Gov. Irineu Bornhausen, 5.600, Agronômica, Florianópolis)
Quanto: R$ 10 e R$ 5 (meia). Gratuito às terças-feiras

 

Siga npdalingua no Twitter

  • npdalingua

    npdalingua

    Na Ponta da LínguaE aí o @zcloficial resolve postar foto sem camisa... Só digo uma coisa... Tá longe de ser o #Zulu 😒 #npdl… https://t.co/gfxOTBcNrxhá 1 diaRetweet
  • npdalingua

    npdalingua

    Na Ponta da LínguaVai rolar uma "pegada made in roça" na @Fields_sc 😍 Mazahh, Loubet, tu não fica fazendo propaganda se não for entre… https://t.co/9j8n6OHJVuhá 1 diaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros