Em teste, constatamos: jogo de realidade virtual do Batman leva os videogames para outro patamar   - Hora

Versão mobile

Brasil Game Show03/09/2016 | 04h06Atualizada em 03/09/2016 | 04h06

Em teste, constatamos: jogo de realidade virtual do Batman leva os videogames para outro patamar  

Imersivo e detalhado, "Batman: Arkham VR" é tudo o que se espera de uma experiência em realidade virtual. Sem previsão de chegada ao Brasil, jogo pode ser testado na feira que ocorre em São Paulo até segunda

Em teste, constatamos: jogo de realidade virtual do Batman leva os videogames para outro patamar   Gustavo Brigatti/Agencia RBS
Foto: Gustavo Brigatti / Agencia RBS
Gustavo Brigatti / São Paulo

gustavo.brigatti@zerohora.com.br

Quando uma voz surgiu ao meu lado dizendo "agora vou retirar os óculos e os fones de ouvido pra você voltar, e pode soltar os controles também" eu não entendi nada. Que óculos? Que controles? E voltar pra onde? Eu estou na bat-caverna, equipado e preparado pra sair de rolê por Gotham City, de onde está vindo essa voz? Mais: quem ousa dizer ao Batman o que fazer?

Leia mais:
Brasil Game Show comprova: futuro da indústria de games passa pelos dispositivos de realidade virtual
Blockbusters, independentes, quinquilharia nerd e o que mais a Brasil Game Show 2016 oferece
Mundo indie vai firme e forte na Brasil Game Show 

Mas era verdade. A triste verdade. Eu não era o Batman. Sem os óculos do PlayStation VR e os controles do Move, eu estava de volta à realidade. A realidade, apenas, sem batrangues, cinto de utilidades, mordomo para me dar conselhos, palhaços do crime para serem caçados e pais ainda vivos (tá, dessa parte eu gosto).

Grande promessa para o lançamento do dispositivo de realidade virtual do PlayStation, Batman: Arkham VR entrega exatamente aquilo que todo mundo ansiava: uma experiência de RV completa, fluida e completamente imersiva. Na BGS, testei o mesmo demo que foi mostrado na E3, num total de 15 minutos de jogatina. O jogo inteiro, segundo a Warner Games, terá em torno de duas horas.

Sem brincadeira, se em 15 minutos eu comecei a achar que realmente era o Batman, depois de duas horas eu vou ter certeza. Em Batman: Arkham VR, você atira batrangues, investiga uma cena de crime com os apetrechos do cinto de utilidades (equipado por você mesmo) e se vê em um monitor como o próprio Homem-Morcego. O nível de detalhamento alcançado pela Rocksteady é ridículo, da imensa vista de Gotham City do topo da chefatura de polícia à abismal bat-caverna, passando pelas mãos esfoladas de bater em vilões de Bruce Wayne.

Esqueça tudo (esqueça mesmo, agora) o que você sabe sobre jogar videogame. Nada chega nem perto de Batman VR. Ele redefine e ao mesmo tempo leva a jogatina a outros níveis de compreensão. Era o que faltava para que a realidade virtual convencesse como entretenimento eletrônico de alto padrão. Sim, é possível. Dá pra fazer. Batman: Arkham VR é a prova disso.

O problema é que ainda não há uma data de lançamento oficial do PlayStation VR para o Brasil. Nos EUA, ele chega em outubro custando US$ 399. 

ms -->
 

Siga npdalingua no Twitter

  • npdalingua

    npdalingua

    Na Ponta da LínguaMal a gente até entende... Agora, não vejo necessidade pra ficar com vergonha, côsalinda! O nude tava um arrazooooo… https://t.co/xvG7cxGdSFhá 1 diaRetweet
  • npdalingua

    npdalingua

    Na Ponta da LínguaAinda me esvaindo em lágrimas pela cena de #VelhoChico de ontem e me deparo com essa foto 😢😭 Assim não dá, Braseee… https://t.co/AJtCbmBLcIhá 1 diaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros