Acústico Brognoli mais uma vez surpreende e apresenta o que tem de vanguarda na música em SC - Hora

Versão mobile

Gypsy jazz, beats e ousadia11/11/2016 | 12h11Atualizada em 17/11/2016 | 14h15

Acústico Brognoli mais uma vez surpreende e apresenta o que tem de vanguarda na música em SC

A 12ª edição do projeto ocorreu na última quinta em Florianópolis. O valor dos ingressos foi revertido para a Avos (Associação de Voluntários de Saúde do Hospital Infantil Joana de Gusmão)

Acústico Brognoli mais uma vez surpreende e apresenta o que tem de vanguarda na música em SC Fernando Wiladino/Divulgação
Mauro Albertt e Nani Lobo: jazz cigano Foto: Fernando Wiladino / Divulgação

Michelangelo teria pintado mais um quadro, e não o teto da Capela Sistina, se não tivesse ousado. Assumir riscos requer coragem, e foi sempre arriscando que movimentos artísticos apontaram para novos modos de pensar. Audacioso desde a gênese, o Acústico Brognoli mais uma vez mostrou-nos a vanguarda. Na décima segunda edição do projeto, realizado na última quinta no Teatro Ademir Rosa (CIC), em Florianópolis, apresentou um espetáculo de fusão, dessa vez entre o gypsy jazz e a música eletrônica.

O show colocou lado a lado estrelas internacionais criadas no quintal da nossa casa, aqui mesmo nos palcos e bares de Florianópolis, como Mauro Albertt e seu jazz manouche, o contrabaixista Rafael Calegari, um dos principais instrumentistas de Santa Catarina; e o violinista Gabriel Vieira. Começaram com suingue do gypsy jazz em duas músicas assinadas por Albertt — músico que mora na Capital e vem numa ascensão na carreira, fazendo jus ao legado cigano deixado pelo guitarrista Jean "Django" Reinhardt.

Vozeirão da argentina Danisa Fagan Foto: Fernando Wiladino / Divulgação

A convidada da noite, a charmosa argentina Danisa Fagan, deu voz a algumas das canções mais clássicas do jazz. Olhos fechados e a sensação era de viagem no tempo e espaço, direto para os redutos de jazz nos subúrbios das cidades americanas na década de 30. Pouco reconhecida por aqui, ela é tida como a principal cantora latina de jazz.

Cantora é tida como uma das principais cantoras latinas de jazz Foto: Fernando Wiladino / Divulgação

O DJ Abner Zeus entrou em cena na segunda parte, numa combinação alucinante de batidas eletrônicas ritmadas por Cristiano Fortes na bateria, solos impecáveis de Calegari no baixo, Caio Muniz no piano e Gabriel Fortunato no sax. Bruno Bez conseguiu dar uma ¿cara¿ para tudo isso em projeções audiovisuais caleidoscópicas e hipnóticas.

Projeções de Bruno Bez  Foto: Fernando Wiladino / Divulgação

Além do talento dos músicos, a maioria prata da casa, o mérito vai para a produção do projeto, há 12 anos assinada pela Orth Produções. O produtor musical Nani Lobo tem faro aguçado para o que tem de mais contemporâneo em música. Mérito também para a Brognoli, uma das poucas empresas de Santa Catarina que aposta em marketing cultural continuamente, e que ano a ano ousa em espetáculos únicos e que refletem a vanguarda. 

Leia também:
Relembre todas as edições do Acústico Brognoli

Confira os vencedores do Prêmio da Música Catarinense
Filme Pequeno Segredo estreia nos cinemas de SC

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros