Fundação Franklin Cascaes suspende exposição por falta de dinheiro  - Hora

Versão mobile

Crise na cultura04/11/2016 | 18h44Atualizada em 04/11/2016 | 19h21

Fundação Franklin Cascaes suspende exposição por falta de dinheiro 

Artistas reclamam que foram avisados apenas dois dias antes da abertura da exposição e que quadros ficaram presos na galeria. Em protesto, coquetel de abertura foi realizado na calçada 

Fundação Franklin Cascaes suspende exposição por falta de dinheiro  Leo Munhoz/Agencia RBS
Marco Martins e Loli Menezes passaram a tarde de sexta-feira dentro da Galeria Municipal cuidando das obras Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Desde que souberam que estavam entre os vencedores do edital Estadual Elisabete Anderle, no ano passado, o cineasta Marco Martins e a produtora Loli Menezes começaram a planejar como fariam a apresentação dos quadros da futura exposição batizada de Lugar Abandono. Para isso, a dupla disputou, e venceu, um novo edital, este para expor na Galeria Municipal de Arte Pedro Paulo Vechietti. No entanto, a presidência da Fundação Franklin Cascaes (FFC), responsável pela administração do espaço, suspendeu a realização do amostra justificando falta de verba.

Após meses de preparação, Marco e Loli receberam um ofício no meio da semana do presidente da FFC, André Luiz Jesus dos Santos, informando a administração da galeria de que todas as exposições no local seriam suspensas até o dia 31 de dezembro deste ano, quando encerra a atual gestão do executivo municipal.

— Nós já estávamos com tudo pronto, incluindo coquetel para a abertura da exposição. A justificativa deles é que a prefeitura não tem os R$ 2,5 mil para pagar os custos do evento, o que está previsto no edital municipal que vencemos. Mas nós já avisamos que abrimos mão desse dinheiro, o mais importante agora é expor as obras — afirma Marco Martins.

Além da suspensão da exposição, os seguranças da galeria informaram nesta sexta-feira que se Marco e Loli saíssem do prédio, não poderiam retornar. Ou seja, teriam as obras presas. Durante a tarde, eles tentaram conseguir um mandado de segurança na Justiça para poder expor dentro da galeria. Sem resposta, a solução veio em forma de protesto. O coquetel de exposição foi organizado na calçada, em frente à galeria. 

— Infelizmente, estamos fazendo um coquetel de exposição de obras sem as obras. Esse é o resultado do que a prefeitura está fazendo conosco — critica Loli Menezes. 

Organizadores da exposição fizeram o coquetel de abertura na calçada, em frente à Galeria Municipal, sem as obras Foto: Loli Menezes / Divulgação

"A prefeitura está falida", afirma presidente da Fundação Franklin Cascaes

O presidente da FFC, André Luiz Jesus dos Santos, explicou que o edital vencido por Marco e Loli previa o adiamento em alguns casos. Além disso, defendeu que informou os artistas ainda no final de outubro sobre a falta de verba e empurrou o problema para a próxima gestão municipal:

— A prefeitura está falida, não tem dinheiro. Não poderíamos deixar eles fazerem a exposição sem quitar com a dívida prevista no edital, isso seria crime de prevaricação. Os artistas vão ter que esperar a próxima administração da prefeitura para resolver isso.

As obras da exposição Lugar Abandono são fotos registradas com filmes da década de 1970 encontrados por Marco. Com esse material, ele fez registros em mais de 20 municípios do interior do Estado. Loli cuidou da produção da mostra, que deveria ficar até o dia 11 de dezembro na Galeria Municipal de Arte Pedro Paulo Vechietti, que fica em frente à praça XV de Novembro, Centro de Florianópolis. Outra exposição está organizada no prédio, que abriga ainda o Memorial Meyer Filho. Os artistas dessa mostra também foram impedidos de entrar no local. 

Leia mais: 

Rafael Martini: Mostra fotográfica é suspensa por falta de recurso em Florianópolis

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros