Joaçaba: desfile da Acadêmicos do Grande Vale tem tom ecológico e celebra o planeta água - Hora

Versão mobile

Folia no meio-oeste26/02/2017 | 04h19Atualizada em 26/02/2017 | 18h55

Joaçaba: desfile da Acadêmicos do Grande Vale tem tom ecológico e celebra o planeta água

Escola abriu a folia no sábado, primeira noite de desfiles em Joaçaba

Joaçaba: desfile da Acadêmicos do Grande Vale tem tom ecológico e celebra o planeta água Betina Humeres / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Betina Humeres / Agência RBS / Agência RBS

Caçula do carnaval de Joaçaba, a Acadêmicos do Grande Vale abriu o desfile das escolas de samba no meio-oeste catarinense com o enredo O Planeta água em nossas mãos. A origem da vida no planeta, desde o resfriamento, passando pelas tempestades até a formação da terra como é hoje, inspirou a comissão de frente, acompanhada de uma alegoria cujo destaque era a partícula da água. 

Com 25 alas e quatro carros alegóricos, a Acadêmicos fez um desfile pautado no tom ecológico, reforçando a necessidade de preservação do meio ambiente. Já no carro abre-alas, batizado ¿No ventre germina a vida¿, mostrou a escultura de uma mulher grávida do planeta. Todo azul, teve entre os destaques dona Zélia, uma senhora de 82 anos que desfila há 10 anos. 

Zélia, uma senhora de 82 anos, foi destaque no abre-alas da Acadêmicos Foto: Betina Humeres / Agência RBS

A escola voltou no tempo para mostrar a relação de povos nativos com a natureza e ressaltou a importância do liquido para a humanidade, desde agricultura e irrigação até a época das navegações. Ressaltou o exemplo dos índios, que se relacionam com a natureza de forma sustentável, homenageados num carro alegórico destacado pelo verde vibrante. As baianas chegaram mostrando os encantos da floresta, em fantasias coloridas em que foi recriada uma floresta, com orquídeas, aves e plantas.

Ala das baianas Foto: Betina Humeres / Agência RBS

A escola também mostrou o lado sombrio da modernização e da ganância, e as conseqüências da poluição. Um dragão de sete cabeças simbolizou o espírito maligno do homem. Ao final, lembrou que ainda há motivos para ter esperança e que a preservação da vida no planeta depende de cada um – a última ala, ¿Perfume dos jardins¿, simbolizou as flores como um presente da natureza.

A Acadêmicos foi fundada em 2012 por um grupo de artistas oriundos da TEJO Cia de teatro, entre eles o carnavalesco Jorge Zamoner, que também foi um dos fundadores da Vale Samba — escola mais antiga do Carnaval de Joaçaba e que este ano não irá desfilar. Foi criada para ser mais que um agremiação, mas também uma escola de artes.

A beleza da porta-bandeira Foto: Betina Humeres / Agência RBS

O samba foi escrito por Gustavo Busseti e Jorge Zamoner, que também assina como carnavalesco da escola e que era a figura mais animada de todo o desfile.

Confira detalhes da primeira noite de desfiles:

Leia mais notícias:
Veja como foi o desfile da Unidos do Herval
Confira a programação completa das festas no Estado
AO VIVO: Siga os desfiles das escolas de samba de SC

 
 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros