Após críticas, Globo se defende sobre abordagem de pedofilia: "Novelas são obra de ficção" - Hora

Versão mobile

 

Noveleiros07/02/2018 | 11h05Atualizada em 07/02/2018 | 11h05

Após críticas, Globo se defende sobre abordagem de pedofilia: "Novelas são obra de ficção"

Em nota oficial, a emissora se posicionou sobre a polêmica abordagem na trama de "O Outro Lado do Paraíso"

Após críticas, Globo se defende sobre abordagem de pedofilia: "Novelas são obra de ficção" Raquel Cunha / TV Globo/TV Globo
Flávio Tolezani e Bella Piero Foto: Raquel Cunha / TV Globo / TV Globo
GaúchaZH
GaúchaZH

Walcyr Carrasco mexeu em um vespeiro ao abordar o abuso sexual infantil em O Outro Lado do Paraíso. Na trama, Laura (Bella Piero) foi vítima do padrasto, Vinícius (Flávio Tolezani) na infância. O trauma a deixou com aversão ao ato sexual e tem prejudicado seu relacionamento com Rafael (Igor Angelkorte).

A "cura" da menina se dará através de sessões de hipnose promovidas por Adriana (Julia Dalavia), com o uso de técnicas de coaching.

Em nota, o Conselho Federal de Psicologia criticou a forma como a novela tem mostrado um assunto tão delicado. No texto, publicado no site do órgão, é ressaltado que esse tipo de trauma deve ser tratado com profissionais especializados na área da psicologia.

O assunto rendeu tantas críticas e indagações que a Rede Globo se manifestou. Em nota do setor de Comunicação, a emissora explica:

"As novelas são obras de ficção, sem compromisso algum com a realidade. A Globo reconhece a importância de todos os seus programas para discussões e reflexões sobre assuntos de interesse da sociedade e está atenta à responsabilidade que lhe é atribuída sobre todos os temas abordados. O que a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ quer mostrar com o desenvolvimento da trama da personagem Laura é o processo pelo qual passa uma pessoa que precisa de ajuda, recorrendo a diferentes e variadas formas de apoio e terapias, das mais às menos ortodoxas.
É importante reiterar, ainda, a seriedade com que a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ tem abordado, desde a estreia, questões relacionadas a diferentes tipos de abuso e preconceito. Corroborando o compromisso da Globo com a sociedade, está prevista a exibição, ao final de alguns capítulos, de cartela de divulgação do Ligue 100, número oficial para denúncias de violação de direitos humanos."


 
Hora de Santa Catarina
Busca