Nova geração de vela catarinense desponta em Florianópolis - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

No mar21/09/2016 | 07h07Atualizada em 21/09/2016 | 07h08

Nova geração de vela catarinense desponta em Florianópolis

Capital é celeiro de bons atletas

Nova geração de vela catarinense desponta em Florianópolis Danilo Caboclo/ICSC/Divulgação
Foto: Danilo Caboclo/ICSC / Divulgação

Os cenários paradisíacos de Florianópolis, como a Lagoa da Conceição e praia de Jurerê, já foram testemunhas do surgimento de grandes nomes na vela, mas é para o futuro da modalidade que os holofotes se voltam neste momento. Uma nova safra de atletas surge para representar a Capital catarinense por todo o país, e um dos expoentes desta geração é a jovem Clara Meyer Cardoso Mateus, que começou a competir há pouco tempo e já desperta a atenção de quem entende do esporte aquático.

Quem olha para o jeito meigo da menina de 10 anos não imagina a força e a agilidade que ela é capaz de mostrar em cima de seu barco. Que o digam as adversárias dela nas águas do Rio Guaíba, em Porto alegre, no início de setembro. Contra competidoras mais experientes de países como Argentina e Uruguai, ela voltou de lá com o título de campeã Sul-Brasileira de Optmist na categoria Estreante e com o segundo lugar geral da prova.

Para o experiente velajador Matheus Dallagnelo - medalhista de ouro nos jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em 2011 -, os ventos podem guiar a jovem aprendiz a um futuro promissor.

- A Clarinha está despontando no esporte e fez um excelente resultado no Rio Grande do Sul. Foi um campeonato bem interessante e teve recorde de atletas participando, num total de 60 barcos - conta.

Clara também ficou impressionada com a quantidade de velejadores nas águas gaúchas. Mas elas não foram os únicos desafios a serem superados:

- No início, achei estranho velejar nas águas do rio Guaíba. Sou acostumada a treinar no mar, em Jurerê, mas consegui me adaptar - destaca a menina.

As crianças que optam por iniciar no esporte começam com o barco Optmist, que é considerado o barco-escola. No mundo todo, atletas com idade até 15 anos treinam usando esse tipo de embarcação. Dallagnelo explica que as atuais campeãs olímpicas na classe 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze, também vieram da Optmist. E é nelas que Clara se inspira.

- Eu adoro velejar. Acho que vou gostar de participar de uma Olimpíada - sonha.

As próximas provas da jovem velejadora são o Campeonato Estadual de Optmist, em outubro. De acordo com o treinador, a partir de agora ela começa a treinar quatro vezes por semana, já pensando no Campeonato Brasileiro que acontece em Vitória (ES), em janeiro de 2017.

Formação de novos talentos

Crianças com idade entre 7 e 14 anos, que estão matriculadas na rede pública de ensino, são o público-alvo de um projeto social desenvolvido e mantido pelo Iate Clube Santa Catarina, em Florianópolis. Um grande talento do esporte surgiu das aulas gratuitas que acontecem duas vezes por semana. José Irineu, hoje com 14 anos, conquistou o sétimo lugar no Campeonato Brasileiro de Optmist e é o melhor catarinense da classe.

O jovem mora na praia do Forte e passou a frequentar o projeto social na Sede Oceânica do clube, em Jurerê, aos 11 anos. Ele já representou o Brasil nos Campeonatos Sul-Americano e Norte-Americano de Optimist e é uma das promessas do esporte.

Mesmo com a oportunidade de aprender a praticar a vela, não é difícil encontrar barcos vazios à espera de alunos. Atualmente, cerca de 20 crianças participam diretamente do projeto, acompanhadas por professores que tentam descobrir novos talentos e também educar por meio do esporte. Os alunos que demonstram aptidão para competições participam de um grupo de alto rendimento, o mesmo que a menina Clara Meyer Cardoso Mateus e o jovem José Irineu fazem parte.

 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros