Atrasos na Fundação de Esportes de Florianópolis comprometem futuro de atletas e projetos sociais  - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

NOSSA ÁREA19/10/2016 | 07h35Atualizada em 19/10/2016 | 07h35

Atrasos na Fundação de Esportes de Florianópolis comprometem futuro de atletas e projetos sociais 

Bolsas municipais começaram a ser pagas em junho, mas valores começaram a atrasar já em setembro 

Atrasos na Fundação de Esportes de Florianópolis comprometem futuro de atletas e projetos sociais  Avaí Ciclismo/Divulgação
Ciclistas do Avaí estão há três meses sem receber repasse da prefeitura e podem decretar falência Foto: Avaí Ciclismo / Divulgação

A equipe do Avaí Ciclismo é uma das principais do Brasil. Está em 3º no ranking nacional masculino de ciclismo de estradas e em 4º no recém-criado feminino. O time das mulheres inclusive tem a atual campeã nacional de contrarrelógio sub-23: Tamires Fanny Radatz. A próxima prova obrigatória da equipe acontece nos dias 5 e 6 de novembro em Vacaria (RS). No entanto, é possível que a equipe nem exista até lá. A Fundação Municipal de Esportes de Florianópolis está com os repasses do convênio atrasados há três meses, e há o risco de eles decretarem falência antes disso.

— Essa verba é para todos os 17 atletas, mais material esportivo e apoio nas viagens. Metade desses ciclistas vive exclusivamente dessa receita. Se não recebermos, vamos ser obrigado a parar as atividades. A gente vai ter que liberar os atletas para eles garantirem um final de ano melhor, porque muitos estão quase passando fome — relata o atleta e responsável técnico da equipe, Diones Chinelatto.

A Avaí Ciclismo faz parte da Associação Pedal da Grande Florianópolis, que toca um projeto social em duas escolinhas com 90 crianças e adolescentes carentes. Ela é só mais uma dentre as muitas entidades e esportistas que estão sem receber repasses ou as bolsas atleta. A FME admite os problemas financeiros. Explica que num ano de crise, a verba para o esporte é uma das primeiras a ser cortada. Com menos verba vindo da Fazenda, a entidade não consegue pagar todos os convênios que foram firmados.

"Se cobrarmos, o projeto deixa de ser social"
Um dos maiores projetos da ilha é desenvolvido pela Associação de Moradores de Canasvieiras (Amocan). São cerca de 700 pessoas atendidas lá, de crianças a idosos. Conforme o presidente da Amocan, Sebastião dos Santos, a entidade recebeu no ano passado R$ 142 mil para por em prática as atividades. Já para 2016, o valor foi reduzido para R$ 60 mil. No entanto, apenas uma das cinco parcelas foi paga, a referente a março/abril. Desde então, nada.

— Se continuar dessa maneira, no ano que vem vamos ter que cobrar dos alunos. E como muitos não tem condições de pagar, o projeto perde o caráter social. Os professores estão trabalhando de graça, na esperança de receber até o final do ano. O resto a associação está bancando — lamenta Tião.

Crianças treinam futebol na sede da Associação dos Moradores de Canasvieiras: atividades correm risco de parar Foto: Marcus Bruno / Agência RBS

Bolsistas também estão sem receber
O programa Bolsa Desportiva Municipal foi anunciado pela prefeitura em grande solenidade no auditório da OAB-SC em maio. Na época, o prefeito Cesar Souza Junior disse não ter "dúvida de que damos aqui um passo que não voltará atrás".

No entanto, após pagar junho, julho e agosto, os repasses começaram a dar problema já em setembro, conforme a própria Fundação. A bolsa deveria beneficiar 186 atletas, paratletas e treinadores em 19 modalidades diferentes. O valor das bolsas ficou entre R$ 300 e R$ 2,5 mil por mês, e a escolha dos beneficiados se deu através de processo seletivo.

Entre os atendidos está a atleta de alto nível do remo adaptado Josiane Lima. Ela foi medalha de bronze nas Paralimpíadas de Pequim e esteve no Rio de Janeiro, onde não teve um bom desempenho, mas precisa do recurso pra sobreviver.

— Pouco antes das Paralimpíadas, o governo federal encerrou o meu Bolsa Pódio. E desde setembro não estou recebendo a bolsa da prefeitura. Ainda bem que a família está ajudando — revela a remadora.

Josiane Lima rema em meio a incerteza Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Fundação admite falhas
A esperança de Lídio Cruz, superintendente da FME, é quitar todas essas dívidas até o fim do ano. Ele promete para a partir da semana que vem começar a pagar parte do saldo devedor com entidades e bolsistas. 

— A Fundação foi criada em tese para fazer parcerias com a iniciativa privada, então parte da nossa verba deveria vir das empresas. Só que, de uns anos pra cá, nos tornamos somente uma secretaria travestida, porque a única fonte de receita ficou o repasse da prefeitura. Eu entrei em maio, e nós não tínhamos um corpo técnico capacitado para conseguir junto às empresas esses recursos. Já entrei gerenciando uma crise. E como estamos em um ano eleitoral, firmar essas parcerias está bem mais complicado _ admite Lídio.

Para agravar este quadro, há no calendário da Fundação Catarinense de Esportes num período de 20 dias Joguinhos, Olesc e Jogos Abertos, o que causa um impacto financeiro enorme, e não há a possibilidade de abrir mão desses eventos.

— Por isso, não tem como pagar todo mundo. A despesa é maior que a receita. Estamos pagando do jeito que dá — explica.

Leia todas as notícias da sessão Nossa Área do Hora de Santa Catarina

Fundação Municipal de Esportes funciona dentro do prédio da Secretaria de Meio Ambiente, na avenida Felipe Schmidt Foto: Marcus Bruno / Agência RBS
 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros