Companhia aérea dona de avião que caiu na Colômbia teria negócios obscuros na Venezuela, diz jornal  - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Tragédia30/11/2016 | 11h53Atualizada em 30/11/2016 | 11h53

Companhia aérea dona de avião que caiu na Colômbia teria negócios obscuros na Venezuela, diz jornal 

Com 17 anos de uso, aeronave transportava 77 pessoas quando sofreu o acidente 

Companhia aérea dona de avião que caiu na Colômbia teria negócios obscuros na Venezuela, diz jornal  Divulgação/
Foto: Divulgação
Estadão Conteúdo e Zero Hora

A Lamia (Línea Aérea Mérida Internacional de Aviación), dona do avião que caiu na Colômbia matando parte da equipe da Chapecoense, dirigentes, jornalistas e tripulantes, tem origem polêmica, segundo o jornal Estado de S. Paulo. Considerada uma pequena companhia aérea de origem venezuelana que surgiu no estado de Mérida, em 2009, ela foi transferida para a Bolívia em 2015.

Quem está na origem da empresa é Ricardo Albacete Vidal, um ex-parlamentar venezuelano. Conforme o jornal, a empresa foi criada após um acordo com o governo de Hugo Chávez para impulsionar o setor aéreo do país. Ela teria sido construída com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do turismo local, além da prestação de serviço de transporte de passageiros, cargas e correio.

Leia mais:
Tripulante de avião próximo narra diálogo dramático entre piloto da Lamia e torre de controle
Sobrevivente da tragédia diz que se salvou por ficar em posição fetal
Torcedores dormem nos arredores do estádio da Chapecoense

À época, foi registrada como uma companhia de ciência e tecnologia para ser beneficiada com um fundo de investimento criado pelo governo chinês para estimular a economia venezuelana. 

Entretanto, devido a atraso nos repasses de investimento público e na burocracia, como afirmou então Albacete, mudou a sede para outro estado venezuelano, e posteriormente para a Bolívia, criando a LaMia Bolívia. Lá, a empresa pediu uma licença para operar como ¿operadora de pequeno porte¿, segundo consta no Certificado de Operação Aérea daquele país.

A LaMia Bolívia foi criada em sociedade com o piloto Miguel Quiroga, que era genro do ex-senador boliviano Roger Pinto Molina - político que veio ao Brasil contando com a ajuda do diplomata Eduardo Saboia depois de se sentir perseguido pelo presidente Evo Morales. Quiroga, que morava no Acre, era quem pilotava o avião que caiu na madrugada de terça-feira.

Investidor chinês foi figura-chave na criação da empresa

Após transferir a sede para a Bolívia, Albacete mudou-se para a Espanha, mantendo as operações da LaMia a cargo de Quiroga. Ainda conforme o jornal Estado de S. Paulo, na Europa o empresário começou a fazer lobby para os negócios da China Sonangol, gigante chinesa do setor de petróleo. 

Um de seus principais executivos , Xu Jinghua (mais conhecido como Sam Pa), foi figura-chave na criação da LaMia, segundo o próprio Albacete afirmou em entrevista a uma TV venezuelana.

Em junho de 2014, Sam Pa foi alvo de sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos por ¿prejudicar as instituições democráticas do Zimbábue¿ e por ¿participar de tráfico de diamantes¿. O chinês ainda foi descrito pela seção de antiterrorismo do Departamento de Tesouro como ¿partidário do regime de Robert Mugabe¿. 

Conforme o jornal, ele teve sua trajetória interrompida em outubro de 2015, quando foi detido pelas autoridades chinesas sob a acusação de corrupção na condução dos negócios do China Investment Fund (CIF).

Frota da empresa tinha apenas um avião em funcionamento

Até o acidente da última terça-feira, a frota da LaMia Bolívia se resumia um avião em funcionamento, o Avro Regional Jet 85 (RJ-85), com quatro turbinas e capacidade para até 100 pessoas. 

Fabricada no Reino Unido pela British Aerospace, a aeronave é muito utilizada para voos curtos na Europa. O RJ-85 tem envergadura de 26 metros, comprimento de 28,5 metros e altura de 8,6 metros.

Ao longo dos últimos dois anos, a especialidade da empresa boliviana vinha sendo o transporte, em voos fretados, de times de futebol sul-americanos e da própria Bolívia.

De acordo com o site Sport, da Espanha, o avião que sofreu um acidente com o time da Chapecoense foi utilizado por Messi e os jogadores argentinos na viagem para o Brasil, há menos de três semanas, quando a seleção hermana foi derrotada pelos comandados de Tite pelas eliminatórias da Copa do Mundo, no Mineirão.

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros