Especialista explica procedimento que salvou sobrevivente em acidente de avião: "Não é teatrinho" - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

O que houve30/11/2016 | 12h23Atualizada em 30/11/2016 | 17h21

Especialista explica procedimento que salvou sobrevivente em acidente de avião: "Não é teatrinho"

Carlos Camacho disse que posição correta adotada pelo tripulante Erwin Tumiri foi determinante para sua sobrevivência

ZH Esportes
ZH Esportes

Seguir à risca as regras de segurança em um avião foi, provavelmente, o que salvou a vida de Erwin Tumiri. Técnico de voo da empresa LaMia, o boliviano se encontra fora de perigo e, ainda na terça-feira, disse em entrevista à Rádio Caracol, de Medellín, que só está vivo por ter cumprido com o protocolo. Ele assumiu uma das posições de impacto recomendadas para casos de quedas ou pousos em situações complicadas.

As informações sobre o que fazer em caso de um acidente de avião estão à disposição de todos os passageiros, nos cartões de segurança localizados nos assentos dos aviões. De acordo com o comandante Carlos Camacho, especialista em acidentes aéreos, saber o procedimento em um momento tão complicado foi a diferença entre a vida e a morte para Tumiri.

– Você tem de seguir os procedimentos determinados pela equipe de comissários. Colocar a cabeça entre as pernas, não segurar objetos, se afastar de qualquer coisa cortante. O protocolo não existe simplesmente para criar um teatrinho no avião. É extremamente importante. E foi o responsável pela sobrevivência dele.

Leia mais:
Arena Condá terá missa no horário em que a Chapecoense jogaria a final da Copa Sul-Americana
Companhia aérea dona de avião que caiu na Colômbia teria negócios obscuros na Venezuela, diz jornal
Aeronáutica colombiana pede prudência sobre causas de acidente

Camacho explicou que, caso um passageiro não assuma a posição de impacto em caso de acidente, pode ter problemas graves de saúde mesmo se o avião ficar intacto após a queda.

– Se você não está sentado com a cabeça entre as pernas, sofre o "efeito chicote", que pode danificar a coluna na hora, ou também pode bater a cabeça no banco da frente, principalmente pela distância pequena entre os bancos. É essencial – disse o comandante.

Tumiri foi o único dos sobreviventes a dar entrevistas até agora sobre o acidente. Os jogadores Alan Ruschel, Follmann e Neto, o jornalista Rafael Henzel e a comissária Ximena Suárez seguem internados em hospitais de Medellín.

*ZHESPORTES

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros