JEC começa a fazer mudanças para 2017 - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Futebol28/11/2016 | 19h31

JEC começa a fazer mudanças para 2017

Clube confirmou a saída do técnico Ramon Menezes nesta segunda-feira. Novo gerente de futebol está perto de acerto

JEC começa a fazer mudanças para 2017 Caio Marcelo/Agencia RBS
Carlos Kila deve assumir a gerência de futebol do JEC Foto: Caio Marcelo / Agencia RBS

A segunda-feira após o rebaixamento para a Série C marcou o início de uma série de mudanças no Joinville. A direção, liderada pelo presidente Jony Stassun, confirmou, em entrevista à Rádio Cultura, a saída do técnico Ramon Menezes. No sábado, o dirigente já adiantava que dificilmente o comandante permaneceria no cargo.
 
No Tricolor, o ex-jogador fez 12 partidas. Conseguiu quatro vitórias, quatro empates e quatro derrotas, um aproveitamento de 44%. A missão era livrar a equipe do rebaixamento, fato que não aconteceu. Como o acordo era válido apenas até o fim do ano, a não renovação foi até mais simples para o Joinville.

Joinville vence o Vila Nova, mas acaba rebaixado para a Série C
Após queda, Ramon Menezes pede que JEC reveja planejamento
Dois homens são detidos após briga no Mercado Público Municipal

Leia as últimas notícias sobre o Joinville Esporte Clube no AN.com.br 

Além de Ramon Menezes, houve a definição da saída de um atleta: o meia Bruno Ribeiro, que veio do Juventude e não estava sendo relacionado nos últimos jogos da temporada.

Outros 20 jogadores, a exemplo de Bruno Ribeiro, têm contrato até o fim do ano e poderão deixar o Tricolor. O clube até pretendia manter o zagueiro Ligger, o volante Tinga e o atacante Fernando Viana. No entanto, nem o zagueiro nem o atacante permanecerão — eles mesmos desejam a saída. A permanência do volante ainda é uma incógnita.
 
O único atleta com renovação praticamente encaminhada é o atacante Aldair. Autor do último gol do Joinville na Série B, o jogador, revelado pela base do clube, deve permanecer por mais uma temporada no Joinville.
 
As saídas não se limitaram apenas ao departamento de futebol do JEC. Nesta segunda-feira, houve as confirmações dos desligamentos do gerente de marketing, Fernando Kleimmann, que irá para o Figueirense, e do assessor de imprensa, João Lucas Cardoso, que preferiu deixar o clube para buscar outros projetos profissionais. 
 
Entradas e saídas
JEC em 2017
Contrato até o fim do ano
Goleiro:
Samuel Pires.
Laterais: Everton Silva, Reginaldo, Robertinho e Fernandinho.
Zagueiros: Rafael Donato e Jaime.
Volantes: Diones, Tinga, Bertotto, Paulinho Dias.
Meias: Thomás, Carlos Alberto e Bruno Farias.
Atacantes: Erick Luís, Claudinho, Jael, Heliardo, William Barbio e Giva.
 
Não vão renovar: Ligger e Fernando Viana.
Já renovou: Aldair

Tem contrato com o clube
Goleiro: Jhonatan.
Lateral: Diego.
Zagueiro: Danrlei.
Volantes: Kadu e Naldo.
Meia: Juninho.
 
Novo gerente perto de acerto

Carlos Kila
, 58 anos, natural de Porto Alegre (RS) está perto de ser confirmado como novo gerente de futebol do JEC. Na noite de segunda, em entrevista à reportagem de "A Notícia", ele revelou que poucos detalhes faltam para que o acerto seja anunciado. Na verdade, segundo Kila, um encontro na quarta ou na quinta-feira, selará o acordo.
 
— Há uma vontade minha e da direção do Joinville, através do presidente Jony (Stassun) de fecharmos. Falta pouco. Estou aguardando apenas uma viagem para Joinville, que deve acontecer na quarta ou na quinta-feira — disse.

Carlos Kila começou a carreira nas categorias de base do Grêmio, onde trabalhou durante nove anos. Lá, chegou a ser diretor de futebol da base. Depois, rodou pelo País, inclusive por Santa Catarina. Trabalhou no Metropolitano entre 2008 e 2010, depois no Náutico de 2011 a 2012, no Criciúma de 2013 a 2014 e novamente no Náutico em 2014 e 2015.
 
Neste ano, esteve no Ceará, onde participou da montagem da equipe que chegou a ser vice-líder da Série B, mas perdeu fôlego na reta final. A saída aconteceu há duas semanas, quando o Vozão já não tinha chance de acesso.
 
No JEC, terá a dura missão de trabalhar com um orçamento reduzido. Segundo ele, há consciência da dificuldade, mas é preciso entender melhor a realidade do clube.
 
— Este é um dos motivos para eu ir a Joinville. Saber quem fica, quem sai, qual é o plano do clube para 2017. Preciso entender melhor toda a estrutura montada pela direção para 2017 — concluiu.

A NOTÍCIA

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros