Thales Leites mira o cinturão do UFC: "Meu negócio é mostrar que mereço estar no topo" - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Entrevista18/11/2016 | 10h04Atualizada em 18/11/2016 | 10h04

Thales Leites mira o cinturão do UFC: "Meu negócio é mostrar que mereço estar no topo"

Lutador faz um dos duelos principais da edição em São Paulo neste sábado

Thales Leites mira o cinturão do UFC: "Meu negócio é mostrar que mereço estar no topo" Alexandre Loureiro/Inovafoto/Divulgação
Foto: Alexandre Loureiro / Inovafoto/Divulgação

O lutador Thales Leites teve uma chance de disputar o cinturão dos médios do UFC em 2009, mas perdeu na época para Anderson Silva. Neste sábado, no UFC São Paulo, ele tenta voltar a subir no ranking da categoria para, no futuro, voltar a ter a chance de brigar pelo título.

Horário do UFC São Paulo
UFC confirma data dos 10 primeiros eventos de 2017

Hoje 11º entre os médios, o ¿garoto¿ de 35 anos de Niterói (RJ) encara o polonês Krzysztof Jotko, 15º no ranking, em uma das lutas principais do evento, que terá transmissão ao vivo da RBS TV a partir da 0h45min de domingo. Em entrevista por telefone, Thales comentou sobre o que planeja da carreira, da próxima luta e também sobre a vida de lutador, que soma 26 vitórias e seis derrotas – são 10 anos desde a estreia no UFC.
Confira o papo:

O cinturão é um objetivo real? Está preparado para fazer parte dessa ¿nova política¿ de ter que falar besteira para poder vender luta e ganhar mais espaço?
Thales Leites – Se eu falar que o cinturão não é objetivo vou estar mentindo. Todo o atleta que está no UFC atuando em alto nível sonha em ser campeão e comigo não é diferente. Mas meu foco nesse momento é o Jotko, e só vou pensar no próximo passo depois de ultrapassar esse que tenho pela frente.
E nunca vou mudar minha personalidade pra conseguir algo no UFC, entendo a importância do ¿trash talk¿ e dentro do limite aceitável uma provocação ou outra até faz parte, mas não sou desses que gosta de ficar falando. Meu negócio é chegar lá dentro e mostrar que mereço estar no topo pelas minhas atuações, e não pelo que eu falo ou deixo de falar.

O que você mudou no teu jogo para esta luta no UFC São Paulo? A fase nocauteador pode voltar ou o jogo de chão, mais seguro, faz parte da estratégia?
Thales Leites – Eu mantive mais ou menos a base de treinamentos da minha última luta, onde consegui impor meu jogo e levar o duelo do jeito que eu queria. Pego de novo um canhoto e isso facilita um pouco também. Em relação a estratégia, todo mundo sabe que meu carro-chefe é o jiu-jitsu realmente, de onde eu sou oriundo. Mas me sinto muito confiante na trocação e na parte de queda também. Hoje em dia me sinto um lutador completo, pronto para qualquer situação. Sei que vai ser uma luta dura, mas independente do meu adversário, estou preparado para qualquer coisa ali dentro do octógono.

Você consegue ter a vida que imaginou por meio da luta? Até onde pretende ir na carreira?
Thales Leites – Essa pergunta é relativa. Claro que estou satisfeito com o patamar da minha carreira que atingi, lutando no maior evento do mundo, mas estou longe de estar garantido financeiramente. Todo mundo acha que quem luta no UFC é rico, mas não é bem assim, temos muito gastos durante o ¿camp¿ e as pessoas esquecem que lutamos três vezes por ano na média, sendo otimista, então o dinheiro que entra tem que diluído por 12 meses. Meu objetivo é continuar atuando em alto nível, me manter entre os melhores da divisão e ir passo a passo rumo ao topo

Perder faz parte do jogo, mas como você absorve isso? E as vitórias, como faz para não deixar a euforia falar mais alto que a razão?
Thales Leites – Durante toda minha trajetória tive altos e baixos, assim como qualquer atleta. Temos que saber lidar com as derrotas da melhor forma possível e foi isso que eu fiz. Minha cabeça sempre esteve focada, nunca deixei de acreditar em mim. A luta contra o Michael Bisping foi muito parelha, se eu tivesse ajustado alguns detalhes teria nocauteado ele, tanto que foi decisão dividida. Contra o Gegard Mousasi eu realmente não estava em um dia bom, mas consegui me recuperar diante do Camozzi e tenho certeza que a boa fase vai continuar no sábado.

Card do UFC São Paulo - Fight Night 100
Sábado, dia 19 de novembro, no Ginásio do Ibirapuera

Peso-meio-pesado: Rogério Minotouro x Ryan Bader
Peso-galo: Thomas Almeida x Albert Morales
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Cortney Casey
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Kamaru Usman
Peso-médio: Thales Leites x Krzysztof Jotko
Peso-meio-médio: Serginho Moraes x Zak Ottow

Card preliminar
Peso-meio-pesado: Francimar Bodão x Darren Stewart
Peso-médio: Cézar Mutante x Jack Hermansson
Peso-meio-pesado: Marcos Pezão x Gadzhimurad Antigulov
Peso-galo: Johnny Eduardo x Manny Gamburyan
Peso-pesado Luis Henrique KLB x Christian Colombo
Peso-galo: Pedro Munhoz x Justin Scoggins

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros