Em entrevista exclusiva, controladora de tráfego aéreo da Bolívia nega responsabilidade  - Esportes - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Tragédia na Chapecoense03/01/2017 | 13h57Atualizada em 03/01/2017 | 13h57

Em entrevista exclusiva, controladora de tráfego aéreo da Bolívia nega responsabilidade 

 A controladora de tráfego aéreo Celia Castedo Monasterio, que foi acusada de negligência por autorizar a decolagem do avião com delegação da Chapecoense na Bolívia, concedeu uma entrevista exclusiva ao SporTV. Com medo das ameaças, Celia pediu abrigo ao Brasil, onde segue escondida desde a semana do acidente. 

Na reportagem, que durou pouco mais de uma hora, a controladora explicou que não tinha poder de impedir a saída do avião. Segundo ela, a "Dirección General de Aeronáutica Civil (DGAC) é a única autoridade que pode impedir a decolagem de uma aeronave". 

— Antes de apresentar isso (plano de voo), a linha aérea ou o piloto que queria realizar um voo não regular, se dirige aos escritórios da DGAC e eles são os que solicitam a autorização — contou. 

Sem culpa, a funcionária afirmou que não se sente responsável pelo acidente, já que era uma empregada de uma empresa que presta serviços para as autoridades bolivianas. 

- Nunca me senti responsável. Eu me sentiria responsável caso não tivesse feito o meu trabalho de observar detalhadamente e minuciosamente o plano de voo, que é a minha função — garantiu. 

Emocionada, a mulher disse que desde a divulgação de seu nome com o envolvimento no acidente, as ameaças tornaram-se constantes. 

 — Me assustei muito quando chegaram as ameaças. Estão diretamente me acusando de algo que eu sou inocente e estão me ameaçando sem saber a minha verdade — afirmou. 

O acidente envolvendo o avião da Chapecoense aconteceu no último dia 29 de novembro em Medellín, na Colômbia. A time de futebol do Oeste de SC estava indo para a cidade disputar a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. Ao todo, morreram 71 dos 77 passageiros, incluindo jogadores, comissão técnica, integrantes da diretoria, profissionais de imprensa e convidados.

Um mês depois da tragédia, a Arena Condá quer reaprender a sorrir

Leia mais notícias:
Em carta, presidente da Chape lembra um mês da tragédia
"Em primeiro lugar estão as famílias", diz presidente da Chape
Retrospectiva 2016: queda do voo da Chape é o fato mais marcante e emocionante do ano para leitores


 
 
 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCNaufrágio deixa ao menos três mortos e 30 desaparecidos na Colômbia: https://t.co/BaNPePNdlk #colombia #naufragio https://t.co/XfAb47TqCuhá 54 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCAdolescente passa pela primeira sessão para remover frase "eu sou ladrão e vacilão": https://t.co/mmTACI6MqD https://t.co/Xbp4FhUbu6há 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros