Combates se intensificam na Síria após fim da trégua - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Guerra20/09/2016 | 13h43Atualizada em 20/09/2016 | 13h43

Combates se intensificam na Síria após fim da trégua

Comboios de ajuda humanitária foram suspensos pela ONU após novo bombardeio

AFP
AFP

Os combates foram retomados na Síria, onde um bombardeio provocou a suspensão dos comboios de ajuda humanitária da ONU um dia após o fim da trégua por falta de um acordo entre Washington e Moscou.

Em Nova York, no discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon, fez um novo apelo para "colocar fim aos combates" na Síria e pelo início das negociações.

Horas antes, a ONU se viu obrigada a suspender o fornecimento de ajuda humanitária por via terrestre após um ataque contra um comboio que causou várias mortes, o mais grave desde o início da guerra, em 2011.

Leia mais
Bombardeios deixam dezenas de mortos na Síria, incluindo 12 trabalhadores humanitários
Governo declara fim da trégua na Síria e acusa rebeldes de não respeitá-la
Estados Unidos espera que ajuda humanitária siga chegando à Síria

Bombardeios aéreos destruíram ao menos 18 de 31 veículos que entregavam alimentos e medicamentos aos habitantes de Orum al-Kubra, uma cidade do norte do país. Vinte civis e um funcionário do Crescente Vermelho sírio morreram, segundo a Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV).

— É um dia muito, muito triste para os trabalhadores humanitários na Síria e no mundo — declarou em Genebra o porta-voz do Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, em inglês), Jens Laerke.

— Se ficar demonstrado que este ataque impiedoso teve como alvo deliberado um comboio humanitário, então isso equivale a um crime de guerra — declarou Stephen O'Brien, chefe das operações humanitárias da ONU.

Ele não indicou a nacionalidade dos aviões que realizaram o ataque, mas o regime sírio e seu aliado russo negaram com veemência nesta terça-feira qualquer participação.

— Nem a aviação russa, nem a síria realizaram nenhum ataque aéreo contra um comboio humanitário da ONU no sudoeste de Aleppo — declarou o general Igor Konachenkov, porta-voz do ministério da Defesa. 

Segundo Konachenkov, não se trata de um ataque aéreo. Para a Rússia, a destruição dos caminhões coincidiu com uma importante ofensiva dos rebeldes, que não dispõem de uma aviação de guerra, cujo alvo é Aleppo.

Sem acusar diretamente Moscou, o porta-voz do departamento de Estado, John Kirby, disse que os "Estados Unidos estão chocados" pela atitude da Rússia, aliada do regime de Damasco.

— O regime sírio e a Federação russa conheciam o destino deste comboio — disse Kirby.

Trégua "não está morta"

No resto do país, de Aleppo até o subúrbios de Damasco, os habitantes convivem novamente com os bombardeios diurnos e noturnos. Muitos ficaram em seus lares depois de desfrutar durante uma semana de uma frágil trégua.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), ao menos 27 barris de explosivos foram lançados sobre Aleppo na manhã desta terça-feira. Na cidade e na província, ao menos 39 civis morreram desde o anúncio do exército sírio de que a trégua havia terminado.

Em Nova York, a crítica situação na Síria era o centro de interesse de uma reunião do grupo de apoio à Síria, que reúne 23 países e organizações internacionais, presidido por Estados Unidos e Rússia.

Ao término da reunião, e depois de um encontro bilateral com o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, o secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou em breves declarações à imprensa que o acordo de cessar-fogo na Síria "não está morto" e que as negociações continuarão nesta semana.

Washington quer acreditar que nem tudo está perdido. Pouco antes, Kerry havia insistido que o mais importante é que Moscou, que assinou o acordo de trégua, "controle (o presidente sírio Bashar) al-Assad".

Mas, para Moscou, a possibilidade de retomar a trégua é "muito fraca", disse o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov. Para Moscou, as condições para retomar a trégua "são muito simples": 

— Os terroristas devem deixar de atacar o exército sírio — completou.

Esta nova tentativa de alcançar o fim dos combates e iniciar negociações de paz na Síria, após cinco anos de guerra, não havia despertado grandes expectativas. A oposição e os grupos rebeldes não haviam dado seu acordo, já que faltavam, segundo eles, garantias sobre seu respeito por parte do regime.

O conflito na Síria provocou a morte de mais de 300 mil pessoas, segundo o OSDH, e obrigou milhares a fugir de suas casas. A quantidade de refugiados saturou a capacidade de acolhida nos países vizinhos, assim como na Europa.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros