Em dia de greve nacional, ônibus da Grande Florianópolis paralisam atividades na manhã e tarde - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

SEM TRANSPORTE22/09/2016 | 07h27Atualizada em 22/09/2016 | 16h23

Em dia de greve nacional, ônibus da Grande Florianópolis paralisam atividades na manhã e tarde

Motoristas e cobradores se unem a movimento nacional e paralisam as atividades

Em dia de greve nacional, ônibus da Grande Florianópolis paralisam atividades na manhã e tarde Cristiano Estrela/Agencia RBS
Ônibus voltaram a circular por volta das 7h. No bairro Ingleses, paradas cheias e ônibus lotados. Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Os mais de 500 mil usuários do transporte coletivo e público da região da Grande Florianópolis foram pegos de surpresa na manhã desta quinta-feira. Ao aderir a paralisação nacional, os trabalhadores cruzaram os braços e a frota de veículos não saiu das garagens na durante as primeiras horas do dia. Durante a tarde, das 15h às 16h, houve nova paralisação. Depois os ônibus voltaram a circular novamente.

Acompanhe informações peloTrânsito 24 Horas
Dia de paralisação nacional é marcado por protestos no Estado

Pelas ruas de São José, Palhoça, Biguaçu e Florianópolis, os pontos estavam lotados. Crianças, jovens, adultos e idosos, entre estudantes e trabalhadores, aguardavam os coletivos. Apesar do tumulto, próximo das 7h alguns ônibus começavam a circular pelas cidades

Mesmo assim, quem pode voltar para a casa e sair de carro viu o trânsito ainda mais congestionado. Antes mesmo das 6h30min, a BR-101 e Via Expressa já apresentavam fila. Em Florianópolis, a SC-401 e 405 seguem congestionadas durante toda a manhã. 

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Florianópolis (Sintraturb), a mobilização de hoje reivindica a retirada de direitos "feita pelo governo de Michel Temer".

Protestos durante o dia

Em Florianópolis, os sindicatos da saúde, educação e previdência se concentram na Praça Tancredo Neves a partir das 14h. Há mobilizações marcadas também nas cidades de Criciúma e Joinville.

Em nota  publicada em uma rede social, o Sintraturb, entre outras pautas, pede a a implementação de um estacionamento para os ônibus junto ao Ticen. "Sem onde estacionar os ônibus durante nossos intervalos, ficamos sem o direito, sequer, de poder ir ao banheiro e nos alimentar". Em maio deste ano, os trabalhadores já haviam realizado uma greve e entre os acordos, parte do aterro Baia Sul indicado para funcionar como estacionamento para os ônibus

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros