Oposição convoca protesto na Venezuela por revogatório contra Maduro - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

América Latina16/09/2016 | 08h18Atualizada em 16/09/2016 | 13h21

Oposição convoca protesto na Venezuela por revogatório contra Maduro

Anúncio sobre a data e as condições para a coleta das quatro milhões de assinaturas, necessárias para convocar a população às urnas, foi adiado

AFP
AFP

Ao posição venezuelana realiza nesta sexta-feira uma manifestação com um "panelaço" exigindo a autorização para a coleta de assinaturas visando um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro. Alegando "ameaças" e em meio aos protestos nacionais, a autoridade eleitoral decidiu adiar o anúncio que deveria realizar hoje sobre a data e as condições para a coleta das quatro milhões de assinaturas (20% do total de eleitores) necessárias para a convocação às urnas no País.

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) alegou que os protestos da oposição colocam em risco seus funcionários e disse que retomará a análise deste tema sensível na próxima segunda-feira, embora não tenha especificado se fará um pronunciamento definitivo na data.

Leia mais
Venezuela não assumirá presidência do Mercosul, decidem chanceleres do bloco
López acredita no êxito do protesto contra Maduro
Venezuelanos batem à porta do Brasil

Os adversários de Maduro planejam iniciar o dia de mobilizações com um "panelaço", no que chamaram de "cúpula do povo contra a fome e pelo revogatório", em alusão à Cúpula de Países Não Alinhados (NOAL), realizada na Isla de Margarita (norte da Venezuela).

"Será a anti-cúpula, a cúpula do povo em resposta a este esbanjamento (do NOAL) e exigindo o estabelecimento com clareza das condições" para a coleta de assinaturas, disse na quinta-feira Jesús Torrealba, secretário da coalizão Mesa de la Unidad Democrática (MUD).

Antes da divulgação da decisão do CNE, Torrrealba havia antecipado que a falta de definições em torno da ativação do referendo motivaria ainda mais os protestos.

— Se não houver resposta (do CNE) também será um motivo para protestar, porque o silêncio é um desrespeito com o direito do povo venezuelano de construir uma solução pacífica, eleitoral, constitucional e democrática a este drama que estamos vivendo — acrescentou Torrealba em uma coletiva de imprensa.

Crise

Afetada pela queda das receitas do petróleo, a Venezuela sofre uma crise econômica refletida em uma escassez de 80% dos alimentos e remédios, segundo estudos privados, e a inflação mais alta do mundo, que o FMI projeta em 720% para 2016.

As mobilizações serão realizadas após dois dias de protesto, em 1 e 7 de setembro, para exigir o revogatório. O primeiro reuniu um milhão de pessoas em Caracas, segundo a MUD, embora o governo afirme que compareceram apenas dezenas de milhares, e que neste mesmo dia mobilizou meio milhão de chavistas.

De qualquer forma, foram as maiores manifestações desde as de 2014 contra Maduro, que deixaram 43 mortos. 


 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros