SC muda regra para aprovação escolar, e aluno poderá passar de ano mesmo reprovado em disciplina - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Mudança em sala de aula20/09/2016 | 06h08Atualizada em 20/09/2016 | 11h24

SC muda regra para aprovação escolar, e aluno poderá passar de ano mesmo reprovado em disciplina

Alunos da rede pública e privada vão avançar aos anos seguintes e fazer  recupera apenas o conteúdo que o professor avaliar como necessário

SC muda regra para aprovação escolar, e aluno poderá passar de ano mesmo reprovado em disciplina Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Será mais difícil que alunos das escolas catarinenses reprovem a partir do próximo ano letivo. Uma resolução do Conselho Estadual de Educação (CEE) orienta que as unidades da rede pública estadual e privada adotem o que chamam de progressão parcial.

Leia também:
Defesa Civil alerta para alta da maré no fim da tarde desta terça e quarta-feira no litoral de Santa Catarina
Pacientes com câncer participam de oficina de automaquiagem em Florianópolis

Assim, se um aluno reprovar em uma ou mais disciplinas, não terá que repetir todo o ano, mas passará para o ano seguinte e fará uma nova avaliação para recuperar apenas o conteúdo que o professor identificar como necessário. 

O presidente do CEE, Osvaldir Ramos, afirma que a resolução foi publicada para orientar sobre temas que geravam dúvidas nas escolas catarinenses. O relator da resolução, Pedro Ludgero Averbeck, defende que são normas baseadas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, de 1996:

– Tem escolas que reprovam o aluno no terceiro ano do ensino médio em uma disciplina e determinam que o aluno repita todas as disciplinas e pague de novo, se for particular. Isso é incoerente com a legislação. Estudos concluídos com êxito não se repetem, assim como frequência cumprida – defende. 

Medida é elogiada por instituto nacional em defesa da educação

Para a presidente-executiva do movimento Todos pela Educação, Priscila Cruz, a iniciativa é positiva e, dependendo dos resultados, poderia ser replicada no país:

– Temos uma crítica forte em relação à repetência, porque acaba desmotivando o aluno e não há evidência de que melhora o aprendizado. Esse aluno vai ficando para trás e, depois da segunda repetência, a chance dele evadir é grande. 

O secretário de assuntos educacionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino (Sinte SC), Luiz Carlos Vieira, defende que a escola foi feita para ensinar, e não reprovar, mas faz ressalvas à resolução.

– Temos realmente que trabalhar com todas as formas de recuperação. Mas é um trabalho a mais para o professor. Quem vai pagar por isso? – questiona.

Priscila acrescenta que é fundamental definir o que ocorre com o aluno caso não conclua com êxito a disciplina e deve estar claro o máximo de matérias que ele pode repetir no ano seguinte. Para ela, deveria ser limitado em duas disciplinas. Com regras bem definidas e com limites, a especialista acredita que não deve haver um relaxamento por parte dos alunos. Para isso, também é importante o reforço durante o ano letivo no qual o estudante apresenta a dificuldade.

Diretor do Instituto Estadual de Educação, Vendelin Borguezon acredita que o fundamental é trabalhar com a motivação do aluno, além de deixar claro como ele vai recuperar o conteúdo e como o professor deve planejar o trabalho. 
A unidade tem quase 5 mil alunos e entre 10% e 13% de reprovações, que devem cair em 2017 com as novas medidas. 

A Secretaria de Estado da Educação afirmou que a aplicação da norma nas escolas estaduais em 2017 ainda está sendo definida. Mas uma formação com os gerentes regionais de Educação está prevista para a primeira semana de outubro para que repassem as orientações a todas as escolas. 

Em nota, o Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina afirmou que a norma não interfere na liberdade da escola privada de se organizar de forma diversa, mas apresenta possibilidades. "Progressão parcial é uma prática opcional, cabendo à escola particular adotar ou não tal procedimento", diz a nota. Averbeck, no entanto, defende que a medida está prevista em lei e deve ser cumprida.

Como vai funcionar

O professor vai identificar os conteúdos em que o aluno teve mau desempenho durante o ano letivo. Ao longo do ano, o estudante já deve ter reforços e, se ainda assim não atingir a nota média no final do ano, o professor definirá com o aluno quando, no ano seguinte, serão aplicadas as avaliações. A escola também pode definir aulas de recuperação desse conteúdo no próximo ano. O aluno não vai repetir todas as matérias do ano inteiro de uma disciplina, apenas fará a avaliação sobre o conteúdo que teve dificuldade.

O estudante não precisará cumprir frequência da disciplina em que prestará nova avaliação. As medidas devem ser incluídas no Projeto Político Pedagógico e Regimento Escolar, no qual ficará definido como será feita essa recuperação.

Para quem vale

Para as escolas privadas e escolas da rede estadual. Mas cada unidade da rede privada pode definir como vai funcionar, já as estaduais devem seguir o que será publicado em portaria pela Secretaria Estadual de Educação. As escolas municipais seguem regimento do município e não precisam seguir a resolução. As mudanças são válidas para os ensinos fundamental e médio.

Reprovação por falta

Se o aluno não atingir 75% de frequência das aulas no ano letivo, ele repete todo o ano. Mas a escola pode incluir no regimento interno que, se ele atingiu as notas exigidas, pode fazer uma avaliação para compensar as faltas. Quem tiver alguma doença que impossibilita a frequência deve apresentar laudo médico e não devem ser computadas as faltas. Esses estudantes terão que fazer estudos domiciliares. Se o aluno participar de competições esportivas oficiais municipais, estaduais e federais, no período em que está disputando os torneios não pode levar falta, mas deve fazer as provas do período.

Número máximo de disciplinas

A lei não estabelece o máximo de disciplinas que o aluno pode repetir para fazer a progressão parcial. As escolas privadas podem definir esse limite. Na rede estadual, ficará a cargo da Secretaria da Educação. A escola também pode definir quanto o estudante deverá atingir de nota para recuperação.

Sem limites

O aluno pode fazer a progressão parcial quantas vezes forem necessárias.

Quando começa a valer

As escolas que quiserem, já podem adotar algumas medidas. Mas, como o prazo para adequação e inclusão no Projeto Político Pedagógico e Regimento Escolar é de 120 dias, começa a valer oficialmente no próximo ano letivo.

Como recorrer se houver descumprimento 

O primeiro passo é fazer um recurso para o Conselho de Classe. Caso não tenha êxito, pode recorrer à Gerência Regional de Educação. Se ainda não for resolvido, leva até a Secretaria Estadual de Educação. Em último caso, chega ao Conselho Estadual de Educação para que o caso seja analisado.

Fonte: Relator da resolução Pedro Ludgero Averbeck, membro do Conselho Estadual de Educação

Acompanhe as principais notícias do dia em SC

 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros