Terminal marítimo de São Francisco aumenta capacidade em 73 mil toneladas - Geral - Hora de Santa Catarina

Economia13/10/2016 | 20h30

Terminal marítimo de São Francisco aumenta capacidade em 73 mil toneladas

Com a inauguração de três novos silos, a empresa responde agora por quase metade do total da capacidade de estocagem de grãos do complexo portuário

Terminal marítimo de São Francisco aumenta capacidade em 73 mil toneladas Salmo Duarte/Agencia RBS
O investimento do grupo japonês é de quase R$ 100 milhões Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
O complexo portuário de São Francisco do Sul, que é a referência em Santa Catarina em movimentação de grãos e responde por cerca de 10% da exportação de soja nacional, acaba de receber um reforço importante no setor de armazenagem. O terminal privado Terlogs, do grupo japonês Marubeni, inaugurou três silos que elevam a capacidade de armazenagem estática do terminal de 107 mil toneladas para 180 mil toneladas. O Terlogs responderá por quase metade do total da capacidade de estocagem de grãos do complexo que tem ainda Bunge e Cidasc.

O investimento de quase R$ 100 milhões é um dos mais importantes já feitos pela trading japonesa no terminal, após sua aquisição em 2011, e uma boa notícia para o setor do agronegócio. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) calcula que o déficit de capacidade de armazenagem no Brasil chega a 53,7 milhões de toneladas de grãos.

A inauguração mereceu atenção da classe política. Além de executivos do Grupo Marubeni, estavam presentes na cerimônia, no final da manhã desta quinta-feira, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi; o secretário de Estado da Agricultura e Pesca, Moacir Sopelsa; o prefeito de São Francisco do Sul, Luiz Zera, parlamentares e autoridades locais.

Os três novos silos se somam aos seis existentes no local. O aumento da capacidade de estocagem se traduzirá também em maior agilidade e eficiência, segundo a empresa, porque será possível carregar quase três navios do tipo Panamax (capacidade média de 66 mil toneladas) de uma só vez. Até agora, o estoque não era suficiente para preencher dois navios, sendo necessário esperar pela chegada de nova carga para completar o carregamento.

Confira mais notícias sobre Joinville e região

Durante a cerimônia, o ministro Blairo Maggi destacou os efeitos positivos da Lei dos Portos para modernização do setor, citando o investimento do Terlogs como reflexo deste processo. O ministro deixou claro que “não está previsto investimento do governo federal no setor portuário” porque não há dinheiro e devido à importância da iniciativa privada no desenvolvimento do setor.

– A aprovação do teto de gastos no País é importante, pois, sem ele, as despesas em 2030 serão muito superiores à receita. Falta ainda a reforma trabalhista e previdenciária. Temos de fazer mudanças.
 
Kfuri pede melhorias na BR-280

O CEO do Terlogs, José Kfuri, pediu apoio do poder público na área logística para a duplicação da BR-280 e para ampliar a capacidade de carregamento dos navios, etapa que se encontra dentro da esfera pública em São Francisco. Kfuri informou que é possível duplicar a capacidade de movimentação do terminal (de 4,5 mil toneladas/ano) se houver melhoria na logística de carregamento.

O secretário de Estado da Agricultura, Moacir Sopelsa, representando o governador Raimundo Colombo no evento, concordou com a necessidade de realizar melhorias nas esteiras de carregamento dos navios da Cidasc.

– O poder público precisa ajudar os que produzem a ter a logística necessária – disse Sopelsa.

O presidente do Porto de São Francisco, Paulo Corsi, informou à reportagem, sem revelar números, que há estudos para adquirir equipamentos de transporte de granel para o navio (ship-loader) no ano que vem utilizando recursos próprios.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Inovação 11/10/2016 | 12h25

Empresas de Joinville e Braço do Norte se unem e lançam picolé de laranjinha

Produto de edição limitada deve chegar aos pontos de venda partir da última semana de outubro

Economia 29/09/2016 | 10h01

Produção de mel em Santa Catarina tem queda de 40% em 2015, diz IBGE

Excesso de chuva e mortandade de abelhas foram as principais causas

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros