Prontuários do IGP-SC ajudarão na identificação das vítimas do voo que levava o time da Chapecoense - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Perícia30/11/2016 | 17h39Atualizada em 01/12/2016 | 03h35

Prontuários do IGP-SC ajudarão na identificação das vítimas do voo que levava o time da Chapecoense

Previsão de autoridades é que os 71 corpos sejam identificados até o final desta quarta-feira

Prontuários do IGP-SC ajudarão na identificação das vítimas do voo que levava o time da Chapecoense Marco Favero/Agencia RBS
Necropapiloscopista do IGP catarinense auxilia autoridades colombianas na identificação de vítimas de acidente aéreo Foto: Marco Favero / Agencia RBS

O instituto de perícia da Colômbia começou nesta quarta-feira o trabalho de identificação das 71 vítimas fatais do acidente com o avião que levava o time da Chapecoense para a Colômbia, que caiu na madrugada de terça-feira. Até o final da tarde desta quarta-feira, o Itamaraty já havia confirmado os nomes de 45 pessoas. O trabalho estaria mais rápido devido à colaboração de equipes brasileiras de perícia no compartilhamento de documentos. Um especialista do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Santa Catarina está em Medellín para auxiliar os trabalhos.

O necropapiloscopista Ruy Fernando Garcia, do IGP catarinense, tem experiência em casos de reconhecimento de vítimas de desastres e chegou em Medellín na noite de terça-feira. Ele levou do Brasil os prontuários de impressões digitais de 34 dos 71 mortos no voo, sendo 21 catarinenses, cinco gaúchos, quatro cariocas, um acriano, um pernambucano, um maranhense e um paraense. Os prontuários são documentos obtidos com órgãos de perícia dos Estados e contém cópia das impressões digitais dos 10 dedos de cada pessoa. Os dados das outras 37 vítimas foram entregues pela Polícia Federal (PF). 

Os documentos são necessários para a identificação por impressão digital. O gerente do Instituto Médico Legal do Estado, Marcos Aurélio Lima, conversou com Ruy Fernando Garcia na manhã de hoje.

— A equipe brasileira foi para auxiliar no processo de identificação, que é comandado pela autoridades colombianas. O que o Ruy nos contou é que os trabalhos estão adiantados e que devem concluir até o final do dia todos os 71 corpos. Ele tem muita experiência nesse tipo de identificação e inclusive levou prontuários aqui de Santa Catarina para agilizar esse processo de identificação das vítimas — afirma Marcos Aurélio.

Sobre o método de identificação adotado, por impressão digital, Marcos explica que foi a melhor alternativa, levando em consideração a condição do acidente e o estado dos corpos: 

 — Não houve explosão do avião na queda, então os corpos não ficaram carbonizados. Em casos assim, o exame de DNA poderia ser utilizado. Outra opção é de arcada dentária, mas para isso teríamos que ter um registo de visita ao dentista das vítimas. A respeito do reconhecimento por parente, é uma escolha muitas vezes traumática, e não é considerada uma comprovação científica.

Preparação para receber corpos

Além do necropapiloscopista, viajou à Colômbia no mesmo avião o secretário executivo de Assuntos Internacionais de Santa Catarina, Carlos Adauto Virmond Vieira, que representa o governador Raimundo Colombo. Ele deu detalhes sobre os procedimentos após a liberação dos corpos.

— Um avião Hércules da Força Aérea Brasileira está em Manaus aguardando pela liberação dos corpos. Assim que o reconhecimento for concluído, o avião irá para Medellín e trará as 71 vítimas para Chapecó, onde serão recebidas com todas as honras. 

Como funciona a identificação por impressão digital

Foto: Marco Favero / Agencia RBS

A papiloscopista do IGP, Shirlanie Martins Machado, detalhou como funciona o processo de identificação de impressão digital de uma vítima fatal:

Passo 1: Peritos fazem cópias das digitais de cada dedo com tinta ou pó em um papel, o prontuário.

Passo 2: Documento é digitalizado e comparado com material disponível na base de dados do IGP.

Passo 3: Papiloscopista precisa identificar no mínimo 12 pontos coincidentes em um dedo, entre digital retirada do corpo e a do banco de dados. Dependendo do estado de decomposição ou tipo de acidente, esse processo manual pode demorar de 15 minutos a 3 horas.

Passo 4: É elaborado um laudo pericial papiloscópico, confirmando a identidade do corpo. 

Leia mais
Órgãos de segurança preparam simulação do translado dos corpos
Famílias de vítimas gaúchas avaliam participação em velório coletivo
Identificação será por meio de impressões digitais

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros