Temer repudia "violência e vandalismo" em manifestação contra a PEC do Teto - Geral - Hora de Santa Catarina

Brasília29/11/2016 | 20h39Atualizada em 29/11/2016 | 20h43

Temer repudia "violência e vandalismo" em manifestação contra a PEC do Teto

Porta-voz da Presidência mencionou episódios de agressão contra veículos de comunicação e disse que a liberdade de imprensa é um "valor central" da democracia

Temer repudia "violência e vandalismo" em manifestação contra a PEC do Teto Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

O porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola, disse que o presidente Michel Temer repudia os atos de violência ocorridos durante as manifestações desta terça-feira na Esplanada dos Ministérios contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, em Brasília. Temer criticou o que classificou de "vandalismo, destruição e violência" e disse que a intolerância não pode ser instrumento para pressionar os parlamentares.

— O governo sempre esteve aberto ao diálogo e defende o direito às reivindicações, mas jamais transigirá com atos de destruição do patrimônio público e privado — disse Temer, de acordo com o porta-voz.

Leia também
Renan suspende sessão do Senado após manifestação contra PEC do teto
Saiba o que pode mudar com a PEC do teto dos gastos públicos

CAE do Senado aprova redução de salário para parlamentares

Parola mencionou episódios de violência contra veículos de comunicação durante o protesto e disse que a liberdade de imprensa é um "valor central" da democracia.

Confronto

Em protesto contra a proposta que estabelece um teto para os gastos públicos para os próximos 20 anos, entre 10 mil e 15 mil pessoas se reuniram em frente ao Museu Nacional e marcharam em direção ao Congresso Nacional na tarde desta terça-feira.

No fim da tarde, o conflito se intensificou quando um grupo de manifestantes virou um carro de uma emissora de televisão estacionado próximo à rampa do Congresso Nacional. A polícia reagiu disparando bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo.

Houve confronto e os policiais dispersaram parte dos manifestantes, que saíram correndo no gramado em frente ao Congresso. Um grupo de deputados da Comissão de Direitos Humanos da Câmara foi ao local para tentar intermediar a negociação, mas não obteve sucesso. Um forte aparato policial conseguiu afastar a maioria dos manifestantes, que seguiram em direção à Catedral Metropolitana de Brasília. Pelo menos dois carros foram queimados pelos manifestantes em um estacionamento próximo à igreja.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros