Vereador de Joinville permanece com salário suspenso após revogação da prisão - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Operação Blackmail24/11/2016 | 17h55Atualizada em 24/11/2016 | 18h14

Vereador de Joinville permanece com salário suspenso após revogação da prisão

Juiz Gustavo Henrique Aracheski também autorizou a revogação da prisão da irmã de fiscal da Sema

Vereador de Joinville permanece com salário suspenso após revogação da prisão Reprodução/RBS TV
João Carlos Gonçalves foi liberado na noite desta quarta-feira Foto: Reprodução / RBS TV

Sob investigação no Ministério Público, o vereador João Carlos Gonçalves (PMDB) está com o salário suspenso na Câmara de Vereadores de Joinville e não voltará a recebê-lo mesmo com a revogação da prisão, na noite desta quarta-feira, porque continuará impedido de acessar a sede do Legislativo.  O vereador é investigado pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

:: Ministério Público conclui fase de depoimentos na Operação Blackmail

O juiz Gustavo Henrique Aracheski, da 2ª Vara Criminal de Joinville,  substituiu a prisão preventiva por medidas cautelares alternativas.  Isto significa que o vereador está afastado da função, proibido de assumir qualquer outro cargo público, não poderá acessar a Câmara de Vereadores, a Prefeitura e a Secretaria de Meio Ambiente (Sema). Além disso, ele está impedido de deixar a comarca de Joinville e de ter contato com os demais investigados ou testemunhas do caso.

:: Saiba quais foram os oito motivos para as prisões na Operação Blackmail

Pelo regimento interno da Câmara, quando o parlamentar falta a uma sessão é descontado o valor proporcional do salário, salvo se apresentar justificativa. No entanto, a prisão e o impedimento legal imposto agora não são válidos para justificar as ausências.  Ele continuará acumulando faltas, mas não corre o risco de perder o mandato, pois  a perda ocorre quando o parlamentar se ausenta sem justificativa por  25% do total do número de sessões, e sendo final de ano, não haverá tempo hábil para isso.

:: Leia mais sobre Joinville e região em AN.com.br

O vereador estava preso na Penitenciária Industrial de Joinville, isolado de outros internos, e foi solto às 20h50. Na manhã desta quinta-feira, priorizou assuntos pessoais  e se reuniria com o advogado durante o dia para definir os próximos passos na defesa.

Além dele, Elaine Cristina da Silva, irmã do fiscal da Secretaria de Meio Ambiente, Júlio César da Silva, teve a prisão preventiva revogada nesta quarta-feira pelo juiz  Aracheski. Apesar de ganharem a liberdade, eles continuam sendo investigados pelo Ministério Público e devem integrar a denúncia que será finalizada pelo órgão nos próximos dias.

Os outros quatro suspeitos que ainda permanecem presos preventivamente tiveram a revogação da prisão negada. Na decisão, o juiz argumenta que a suposta organização criminosa formada pelo fiscal Júlio César da Silva, a filha Ana Carolina de Medeiros da Silva, o namorado dela, Maurício de Lima Lopes, e pelo ex-vereador Juarez Nicássio Pereira atingiu grande número de pessoas e, "após a deflagração da operação, outra vítimas procuraram o Ministério Público para denunciar novos crimes praticados pelos investigados".

 

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Investigação 18/11/2016 | 19h18

Ministério Público conclui fase de depoimentos na Operação Blackmail

Um dos investigados, o ex-vereador Juarez Pereira, foi exonerado da Prefeitura em janeiro por desvio de conduta, diz prefeito Udo Döhler

Operação Blackmail 18/11/2016 | 08h02

Em depoimento, ex-vereador Juarez Pereira se declara inocente

Ministério Público ouvirá o vereador João Carlos Gonçalves nesta sexta-feira

Portal 14/11/2016 | 21h11

Saavedra: Justiça libera um dos presos na Operação Blackmail em Joinville

Homem foi solto após ser ouvido nesta segunda-feira

Segurança  11/11/2016 | 09h14

Saiba quais foram as oito provas para as prisões da Operação Blackmail em Joinville

A Notícia teve acesso à decisão do juiz da 2ª Vara Criminal que determinou a prisão de sete pessoas por suspeita de corrupção

Segurança  10/11/2016 | 10h04

37 testemunhas foram ouvidas na Operação Blackmail em Joinville

Fase para confirmar crimes em Joinville começou ontem. Os sete suspeitos continuam presos

Segurança  10/11/2016 | 07h03

Como fica o trabalho de João Carlos Gonçalves na Câmara de Vereadores

Vereador não perderá o cargo, mas só poderá ser substituído se pedir licença do cargo

Portal 09/11/2016 | 07h11

Ministério Público vai ouvir 77 pessoas sobre a operação Blackmail

São comerciantes, donos de imóveis e empreendedores que podem ter sido vítimas de achaques ou de tentativas

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros