Cerca de 21% dos portadores de HIV em Florianópolis não sabem que têm o vírus - Geral - Hora de Santa Catarina

Saúde pública01/12/2016 | 21h06Atualizada em 01/12/2016 | 21h06

Cerca de 21% dos portadores de HIV em Florianópolis não sabem que têm o vírus

Informação foi divulgada em Boletim Epidemiológico distribuído neste 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta contra a Aids   

Na data em que se celebra o Dia Mundial de Luta contra a Aids, a Prefeitura de Florianópolis divulgou uma informação preocupante: cerca de 21% dos portadores do vírus HIV na Capital provavelmente ainda não sabem estar infectados. 

O dado está na edição especial do Boletim Epidemiológico, editado pela Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde, divulgada neste 1º de dezembro. Isso acontece mesmo com a cidade, de acordo com a prefeitura, tendo uma das maiores taxas de detecção de Aids do Brasil.

Nesta situação de subdiagnóstico, estariam cerca de 1.580 indivíduos, uma vez que a prevalência é de aproximadamente 7.400 pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA) em Florianópolis, ou 2% de sua população. 

A prefeitura garante estar desenvolvendo uma série de ações de saúde pública no município na tentativa de diminuir esse índice e ampliar o acesso ao tratamento, essencial para que os infectados possam controlar a doença.

Segundo o Boletim Epidemiológico, os centros de saúde oferecem a coleta para teste rápido e a sorologia clássica para o HIV; o Centro de Testagem e Aconselhamento localizado na Policlínica Municipal da região central garante acesso à população com dificuldade de vínculo aos centros de saúde ou a quem deseje realizar o teste de forma anônima; e a rede de saúde conta com cinco postos de coleta de sorologias e exames específicos de acompanhamento no Continente, nas policlínicas municipais do Norte e Sul, e no centro de saúde do Saco Grande. 

Além disso, expõe a Secretaria de Saúde, um projeto em colaboração com o Grupo de Apoio à Prevenção da Aids (GAPA) de Florianópolis visa a aumentar o diagnóstico da população entre 14 e 25 anos, tendo em vista o aumento da incidência da infecção e a baixa frequência de utilização de serviços de saúde nesta faixa etária. 

Em terapia

No período de 1997 a 2016, um total de 4.509 PVHA foram cadastradas nas Unidades Dispensadoras de Medicamentos que ficam nas Policlínicas Municipais do Centro e do Continente – responsáveis pela distribuição da terapia antirretroviral. Do contingente, 65,80% eram homens.

E, ainda conforme o que a Vigilância em Saúde destacou no Boletim Epidemiológico, a estratégia de repasse de medicamentos para dois meses de tratamento ¿tem causado melhora substancial na adesão do paciente, facilitando, inclusive, para os pacientes que residem longe¿.

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros