Atentados suicidas contra mercados em Bagdá fazem ao menos 18 mortos - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Iraque08/01/2017 | 14h30Atualizada em 08/01/2017 | 14h48

Atentados suicidas contra mercados em Bagdá fazem ao menos 18 mortos

O primeiro dos ataques, realizado em um bairro xiita, foi reivindicado pelo Estado Islâmico

Atentados suicidas contra mercados em Bagdá fazem ao menos 18 mortos SABAH ARAR/AFP
Explosão no bairro de Sadr City ocorreu na entrada de um mercado Foto: SABAH ARAR / AFP
AFP
AFP

Pelo menos 18 pessoas foram mortas neste domingo em dois ataques suicidas em mercados da capital iraquiana Bagdá, enquanto o grupo extremista Estado Islâmico (EI) está na defensiva em Mossul, no norte do país.

O primeiro ataque, reivindicado pelo EI, visou o mercado de frutas e legumes de Jamila, localizado em Sadr City, um bairro habitado principalmente por muçulmanos xiitas, comunidade alvo frequente de ataques do grupo ultrarradical sunita.

— Um soldado de guarda na entrada do mercado abriu fogo contra um carro suspeito depois de ser alertado, mas o suicida detonou o veículo — explicou à AFP o porta-voz do ministério do Interior, Saad Maan.

Leia mais
Iraque lança ofensiva para expulsar Estado Isâmico do oeste do país
Queda de helicóptero militar deixa 4 mortos no Iraque
Mais de 125 mil iraquianos foram deslocados desde o início da ofensiva contra Mossul

Doze pessoas foram mortas e 39 ficaram feridas no ataque, de acordo com um balanço fornecido à AFP por fontes médicas e um coronel da polícia. O soldado que fazia a guarda do mercado ficou ferido. O ataque foi reivindicado em um comunicado postado na internet pelo EI, que afirmou que o suicida era um iraquiano.

Foto: SABAH ARAR / AFP

Um hospital de Sadr City indicou em um comunicado que o corpo do homem-bomba foi levado para o necrotério e que uma carga explosiva que carregava consigo explodiu quando um funcionário procurava por documentos de identidade em seu cadáver. Segundo o comunicado, a explosão não fez nenhuma vítima, mas uma foto enviada por um funcionário do hospital mostra que a porta do necrotério ficou destruída. Um coronel da polícia confirmou que o corpo de uma pessoa retirada do local do ataque explodiu mais tarde no necrotério.

Também neste domingo, outro homem-bomba se explodiu em um mercado no bairro de Baladiyat, no leste da capital, deixando pelo menos seis mortos e 16 feridos, segundo as autoridades. Este último ataque, porém, não foi reivindicado até o momento.

Após um período de relativa calma, a capital do Iraque enfrenta um ressurgimento dos ataques do EI desde o lançamento, em 17 de outubro, da ofensiva para recuperar Mossul, a segunda maior cidade do país e o maior reduto do grupo extremista.

O último grande ataque foi cometido em 2 de janeiro em um bairro xiita da capital. No mesmo dia, o presidente francês François Hollande realizava uma visita a Bagdá. Ele causou 32 mortes e foi reivindicado pelo grupo EI, que considera os xiitas, maioria no Iraque, como "hereges".

O EI perdeu grande parte do território que havia conquistado em 2014 e defende ferozmente sua fortaleza de Mossul, no norte do Iraque.

Leia as últimas notícias de Mundo

*AFP

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCCandidato a novo Guga, Pedro Boscardin Dias coleciona bons resultados aos 14 anos: https://t.co/yIHjQpIhvA https://t.co/9WJlCG8rzThá 7 horas Retweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCApós completar 50 jogos pelo Avaí, Junior Dutra promete "contribuição na reta final": https://t.co/2LUZ9UFWxc https://t.co/2gB4qK5eGqhá 8 horas Retweet
Hora de Santa Catarina
Busca