Como evitar estas visitas de animais peçonhentos - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Saúde13/01/2017 | 10h23

Como evitar estas visitas de animais peçonhentos

Acidentes ocasionados por cobras e aranhas são mais comuns nesta época do ano. Saiba como barrar a proliferação

Como evitar estas visitas de animais peçonhentos Salmo Duarte/Agencia RBS
Acúmulo de lixo, restos de entulhos e pilhas de telhas e madeiras no terreno são abrigos certos para animais peçonhentos. Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
Leandro S. Junges

leandro.junges@an.com.br

O número de acidentes provocados por animais como serpentes, aranhas, escorpiões, lagartas, abelhas, águas-vivas e caravelas cresce com a chegada do verão em Santa Catarina. Segundo o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que faz os registros oficiais, as ocorrências com serpentes (cobras) e aranhas são as mais comuns em Joinville. De acordo com números repassados pela Vigilância Ambiental de Joinville, foram registrados quase 700 casos desde 2007. Destes, 39 aconteceram no ano passado.

Leia mais informações sobre Joinville e região no an.com.br

Em todo o Estado, em 2015, foram registrados 9.354 ocorrências, e entre os meses de janeiro e novembro de 2016, um total de 6.703 acidentes foi registrado.

- E o número pode ser ainda maior, pois muitos casos nem chegam a ser notificados ou oficializados _ diz o médico veterinário Jaime de Matos Jr., da Vigilância Ambiental de Joinville.

Acúmulo de lixo, restos de entulhos e pilhas de telhas e madeiras no terreno são abrigos certos para animais peçonhentos. A proximidade de matas e os terrenos baldios também requerem atenção da população e das autoridades sanitárias. Em regiões onde há enchentes, o risco também é grande, pois esses animais são obrigados a deixarem seus habitats em busca de um novo local, refugiando-se, muitas vezes, dentro das casas.

Historicamente, os acidentes com aranhas são responsáveis pela maior parte dos casos, seguidos dos acidentes envolvendo serpentes e abelhas. De acordo com Ivânia da Costa Folster, responsável pela área técnica na Gerência de Vigilância de Zoonoses (Gezoo), muitos acidentes acontecem por desatenção.

- Nesta época do ano, as pessoas passam a frequentar mais as praias, fazem trilhas e outras atividades ao ar livre, aproximando-se desses animais, aumentando os riscos de picadas e mordeduras _ alerta.

No caso de picadas ou mordeduras, é preciso tratar a lesão como se fosse causada por um animal venenoso e buscar rapidamente atendimento em uma unidade de saúde.
Segundo o médico veterinário Jaime de Matos Jr., uma das preocupações recentes é a aparição do escorpião-amarelo. Embora seja um animal típico do Sudeste e do Centro-oeste do Brasil, ele tem aparecido com maior frequência nos últimos anos no Sul do Brasil. Em Joinville, já foi encontrado em vários bairros e chegou a causar um acidente no ano passado.

- Ele é o mais perigoso. Precisamos dar atenção especial ao escorpião-amarelo nesta época do ano _ diz Jaime, lembrando que a espécie é a principal causadora de acidentes mais graves, com registro de óbitos em outras regiões do País, principalmente entre crianças.

Como agir

ONDE BUSCAR AJUDA
Em caso de acidentes com estes tipos de animais, é preciso primeiro buscar uma unidade de saúde o mais rapidamente possível.

A referência para atendimentos de acidentes por animais peçonhentos no Estado é o Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina (CIT/SC), com funcionamento 24 horas pelo telefone 0800 643 5252, todos os dias da semana.

O QUE FAZER EM CASO DE ACIDENTES
Manter a vítima calma e deitada, evitando movimentos para não favorecer a absorção do veneno;
Tentar manter o membro afetado no mesmo nível do coração ou, se possível, abaixo dele;
Localizar a marca da mordedura, limpar o local com água e sabão e cobrir com um pano limpo;
Remover anéis, pulseiras e outros objetos que possam garrotear (apertar a circulação), em caso de inchaço do membro afetado;
Levar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo, para receber o tratamento necessário;
Se possível, levar o animal para que seja identificado e para que a vítima receba o antiveneno específico.

COMO EVITAR ACIDENTES
Usar botas: no corte de vegetação e limpeza de terrenos evita até 80% dos acidentes com cobras. Porém, antes de calçar as botas, verifique se não há aranhas, escorpiões ou outros animais peçonhentos na parte interna.

Proteger as mãos: não coloque as mãos em frestas, tocas, cupinzeiros, ocos de troncos etc. Use um pedaço de madeira para verificar se não há animais nesses locais. Utilize luvas para limpeza doméstica.

Acabar com os ratos: a maioria das cobras alimentasse de roedores. Por isso, mantenha sempre limpos os terrenos, quintais e plantações, evitando atrair esses predadores.

Conservar o meio ambiente: os desmatamentos e queimadas, além de destruírem a natureza, provocam mudanças de hábitos dos animais, que se refugiam em celeiros ou mesmo dentro de casas. Evite matar os animais, pois eles contribuem para o equilíbrio ecológico.

A NOTÍCIA

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCPaixão Azurra: Claudinei Oliveira fica para 2018. https://t.co/E8rjsQk3pS https://t.co/iR8lXO7uTwhá 3 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCFalando de Sexo: as melhores posições para disfarçar a barriguinha. https://t.co/yzJoFWaAEl https://t.co/deh2IMx9hkhá 1 horaRetweet

Mais sobre

Hora de Santa Catarina
Busca