Loetz: segurança pública se mantém como uma das principais preocupações dos empresários de Joinville - Geral - Hora de Santa Catarina

Livre Mercado 11/02/2017 | 07h31Atualizada em 11/02/2017 | 07h31

Loetz: segurança pública se mantém como uma das principais preocupações dos empresários de Joinville

Assuntou retornou à pauta no discurso de posse do novo presidente da Ajorpeme

A segurança pública não sai das preocupações de empresários, das lideranças políticas e da sociedade joinvilense em geral. Há mais de três anos, o tema está no centro das atenções da comunidade local. Quer em razão de aumento de assaltos a lojas, quer por haver roubos e assassinatos em quantidade inaceitável – e continuamente – ao longo de tantos e tantos meses. O assunto retornou à pauta, com o vigor necessário, no discurso de posse do novo presidente da Associação de Joinville e Região da Pequena, Micro e Média Empresa, a Ajorpeme. O empresário Célio Valcanaia foi ao ponto, em sua fala, na quinta-feira à noite:

— A insegurança preocupa muito os nossos associados.

Embora curta e direta, a mensagem foi clara e compreendida rapidamente: à mesa principal, o vice-governador Eduardo Pinho Moreira ouviu o clamor, mais uma vez repetido. Sim. Joinville continua sua jornada junto ao governo do Estado por mais câmeras de segurança, e também por mais efetivo policial.

Na sua vez de falar, o prefeito Udo Döhler continuou no assunto:

— Estamos num momento em que não basta reclamar, mais do que apenas nos deixar trabalhar. A hora é de enfrentamento. É preciso que continuemos o combate à criminalidade. E prometeu melhorar a segurança na cidade, com ampliação da Guarda Municipal.

O temor, já nem tão difuso assim, é o de que os fatos que acontecem no Espírito Santo e no Rio de Janeiro há meses ganhem amplitude para outras regiões do País. E, que, de alguma forma, cheguem a Joinville nas dimensões que forem, ainda que com todas as relativizações necessárias a se registrar aqui, neste espaço.

O maior perigo não está no que acontece no dia de hoje. O maior perigo é o que se denomina como percepção social. Significa dizer que a mais séria consequência da onda de criminalidade nacional (e local) é aquela que poderá gerar um desconforto coletivo na sociedade no curto e médio prazos.

Evitar que a percepção de futuro seja negativa é a grande missão de autoridades que têm as responsabilidades de gerir a segurança pública e acalmar mentes e corações inquietos.

Em meio a esta sensação, houve lugar para amenidades no evento da Ajorpeme. O presidente Valcanaia e o ex-presidente Carlos Eduardo de Souza conversaram com o prefeito Udo Döhler e o vice-governador Eduardo Pinho Moreira, com sorrisos no rosto.

Mesmo assim, Valcanaia, na sua fala, ainda tocou em outros temas de interesse empresarial. Avisou que será, sim, contrário ao que o poder público fizer se não for bom para os donos de micro e pequenos negócios. A lembrança imediata é a metodologia nova do cálculo para a tarifa da Cosip. Para deixar tudo bem, uma no cravo e outra na ferradura: elogiou os esforços do município de Joinville e do Estado de Santa Catarina em suas batalhas pelo equilíbrio financeiro buscado por ambos.

No campo da gestão empresarial, o novo presidente empossado anunciou novidades: a Ajorpeme fechou parceria com o Movimento Catarinense pela Excelência (MCE), de modo a permitir que as 2.200 empresas associadas à entidade possam usufruir de conhecimentos técnicos especializados e trocar ideias com expoentes em administração em variadas áreas das atividades que englobam a administração de qualquer empreendimento, independentemente de tipo, tamanho ou segmento.

Outras contundentes observações partiram do presidente da Federação das Associações das Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina (Fampesc), Alcides Andrade. A liderança estadual das microempresas dirigiu-se pessoalmente às autoridades políticas.

1. Cobrou da Prefeitura de Joinville regulamentação completa de legislação, para que empreendedores possam abrir seus negócios com mais rapidez;

2. Ao senador Paulo Bauer, líder do PSDB no Senado, pediu por reformas estruturantes: a da Previdência e a trabalhista.

Udo Döhler não entrou na bola dividida em público. E Bauer reforçou a necessidade imperiosa de se promover as duas reformas. Aliás, reformas estas que deram seus primeiríssimos passos na quinta-feira em Brasília. Evidentemente, este é um jogo demorado, de idas e vindas, de pressões e contrapressões de variadas formas e grupos de interesses. Reformas virão.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  10/02/2017 | 07h32

Loetz: Latam retoma voos de Joinville para Guarulhos

Companhia vai começar a operar nos finais de semana, a partir de 1º de julho

Livre Mercado  09/02/2017 | 07h21

Loetz: Busscar está a um passo de ser comprada

Caio Induscar pode adquirir instalações, equipamentos e tecnologia da ex-fabricante de ônibus sediada em Joinville

Livre Mercado  08/02/2017 | 07h31

Loetz: Setor de seguros em Joinville atrai empresas paranaenses

Cible e Mello & Possiede, com sede em Curitiba, já atuam na cidade

Livre Mercado  06/02/2017 | 07h31

Loetz: Jovens idealistas de Joinville na Global Shapers

Amanda Meyer da Luz e Bruno Kurtz participam de movimento mundial

Livre Mercado  11/02/2016 | 07h06

Claudio Loetz: Espaço Inovaparq, em Joinville, será inaugurado no dia 17

Localizado no Perini Business Park, iniciativa vai apoiar empresas na tomada de decisões e antecipar tendências para negócios com estudos realizados por professores e alunos

Livre Mercado 18/01/2016 | 07h04

Claudio Loetz: Havan terá terceira loja construída em Joinville

Planos da empresa é de instalar também uma loja em Praia Grande e outra em Jundiaí

Livre Mercado 16/01/2016 | 11h34

Claudio Loetz: As dores cotidianas

Livre Mercado 15/01/2016 | 07h07

Claudio Loetz: Novas regras do Minha Casa, Minha Vida afetam as cidades do Norte de SC

Principal mudança trata do valor máximo dos apartamentos ou casas a serem financiadas pela Caixa Econômica Federal

Livre Mercado 11/01/2016 | 07h04

Governo do Estado quer acelerar o cadastro de propriedades rurais em SC

Prazo termina no dia 5 de maio e, até agora, pouco mais da metade dos imóveis foram regularizados

Livre Mercado 09/01/2016 | 06h31

Balança Comercial de Santa Catarina tem déficit de US$ 4,96 bilhões em 2015

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou balanço nesta semana

 
 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCLaine Valgas: a prática de exercícios vai ajudar você a dormir melhor. https://t.co/ZzBDXW3eJWhá 2 horas Retweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCLaine Valgas: Núcleo de Estudos da Ufsc tem grupo de orientação gratuito para pais em Florianópolis.… https://t.co/CgfJSeTnIohá 3 horas Retweet
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros