Sindicato não comparece e reunião de conciliação na OAB termina sem avanços sobre a greve na Capital - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Impasse10/02/2017 | 10h15Atualizada em 10/02/2017 | 11h27

Sindicato não comparece e reunião de conciliação na OAB termina sem avanços sobre a greve na Capital

Servidores municipais entram no 25º dia de paralisação em Florianópolis

Sindicato não comparece e reunião de conciliação na OAB termina sem avanços sobre a greve na Capital Leonardo Gorges/Agência RBS
Sindicato não compareceu na reunião chamada pela OAB/SC Foto: Leonardo Gorges / Agência RBS

Como já se sabia de antemão, a reunião de conciliação sobre a greve dos servidores de Florianópolis aconteceu sem a presença de representantes do sindicato da categoria, e terminou sem avanços. O encontro contou com todo o primeiro escalão da prefeitura e foi intermediado pelo presidente da OAB/SC, Paulo Brincas. O sindicato da categoria (Sintrasem) entende que esse não é o local ideal para conversar. Já a prefeitura se colocou à disposição para discutir o assunto em outro lugar.

Presente na reunião, Gean Loureiro evitou tecer críticas ao sindicato e disse acreditar no diálogo, apesar dos 25 dias de greve. Segundo o prefeito, uma contraproposta será apresentada dependendo do resultado da assembleia da categoria, prevista para ocorrer nesta sexta.. 

— Nossa ideia é acabar com a greve nesta sexta-feira. Muitos servidores estão nos procurando para dizer que não aguentam mais, e que vão à assembleia votar pelo fim da greve — disse o prefeito.

Participaram da reunião os secretários da Administração, Everson Mendes, da Casa Civil, Filipe Mello, da Educação, Maurício Pereira, o procurador-geral do município, Diogo Pitsica, além do prefeito e de representantes dos pais de alunos da rede municipal. 

— A administração anterior esteve em uma situação parecida e assinou um plano de cargos e salários irreal. Não vamos fazer isso — disse o secretário Everson Mendes.

O procurador da prefeitura, Diogo Pitsica, avalia que o sindicato deve apresentar um plano para oferecer serviços básicos à população. Já o presidente da OAB/SC, Paulo Brincas, disse que entende a posição do sindicato de não querer discutir o tema no local, mas que continua à disposição.

No fim da manhã, o Sintrasem publicou em uma rede social que o Executivo chamou representantes do sindicato para uma mesa de negociação, intermediada por vereadores, no prédio da prefeitura. A partir do encontro, podem sair novas deliberações, que serão apresentadas à categoria na assembleia marcada para 13h30min, no Centro da cidade. 

Justiça mantém ilegalidade da greve

A desembargadora Vera Copetti, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), negou o pedido do sindicato que pedia a reversão da decisão que declarou a ilegalidade da greve na Capital. Com isso, a paralisação segue declarada ilegal pela Justiça. A desembargadora também afirmou na decisão que as reivindicações dos grevistas têm cunho político e não podem ser analisadas pelo Judiciário.

A continuidade da paralisação mesmo com a declaração de ilegalidade levou o procurador geral da prefeitura, Diogo Pitsica, a pedir a prisão dos diretores do sindicato, a destituição da diretoria e intervenção, para restabelecimento da ordem constitucional. Até está quinta-feira ainda não há uma decisão sobre esse pedido. Os responsáveis pelo sindicato também não foram localizados para comentar essas decisões. 

Descontentes com a lei que suspendeu plano de carreira dos trabalhadores, os servidores municipais chegam nesta sexta ao 25º dia de paralisação.

Acompanhe as últimas notícias do Diário Catarinense

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCRodrigo Faraco: as frentes de trabalho na remontagem do Avaí. https://t.co/9dqIGNqw2b https://t.co/rAOthKyckohá 57 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCMário Motta: carnês do IPTU vão chegar aos contribuintes de Florianópolis até o dia 20 de dezembro.… https://t.co/kiKgtzI0Q7há 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca