"As pessoas que presenciaram um fato têm medo de falar", aponta juiz da Vara do Júri de Florianópolis - Geral - Hora de Santa Catarina

Segurança07/03/2017 | 03h00Atualizada em 07/03/2017 | 03h00

"As pessoas que presenciaram um fato têm medo de falar", aponta juiz da Vara do Júri de Florianópolis

Magistrado responsável pelos processos que apuram crimes contra a vida na Capital alerta que medo de represálias dificulta o trabalho da polícia

"As pessoas que presenciaram um fato têm medo de falar", aponta juiz da Vara do Júri de Florianópolis Diogo Vargas/Agencia RBS
Foto: Diogo Vargas / Agencia RBS

A apuração dos 42 homicídios registrados em Florianópolis desde janeiro aponta que praticamente três em cada quatro crimes têm como motivação o tráfico de drogas ou desavenças entre os envolvidos. A mancha criminal ainda expõe a concentração das ocorrências em duas regiões: só o bairro Monte Cristo, que reúne as comunidades Chico Mendes e Novo Horizonte, no Continente, foi cenário de pelo menos uma em cada quatro mortes.

Levantamento da Delegacia de Homicídios da Polícia Civil, divulgado no "RBS Notícias" desta segunda-feira, indica que menos da metade dos crimes já têm autoria definida e apenas três prisões, além da apreensão de um adolescente, foram concretizadas desde o início do ano. 

A dificuldade de se reunir provas para comprovar a autoria dos crimes é apontada como um desafio pelo juiz da Vara do Júri de Florianópolis, Marcelo Volpato de Souza, responsável pelos processos que julgam os crimes contra a vida. 

Confira a entrevista:

O judiciário já percebe os reflexos do aumento dos homicídios em Florianópolis?

Aumentou o número de solicitações de interceptação telefônica, de prisões temporárias. São requerimentos cautelares que são prévios ao processo para tentar apurar a autoria dos fatos. Há uma percepção de que houve acréscimo em relação ao mesmo período do ano passado.

Como todos esses casos devem repercutir futuramente?

Aumentando o número de homicídios, é inevitável que isso vá repercutir no trabalho da Justiça. Mas vai depender da taxa de resolubilidade. As informação junto à Polícia Civil é de que é cada vez mais difícil de se conseguir apurar os fatos, ter informações que realmente sirvam de elemento de prova para se chegar à autoria. Até por conta dessa onda de violência, as pessoas que presenciaram um fato têm medo de falar. Dificulta bastante o trabalho da polícia e acaba prejudicando o processo judicial.

A percepção é de que ocorrem conflitos entre grupos rivais?

Isto é visível. Os processos, em sua grande maioria, têm algo relacionado às drogas. Não necessariamente são todos ligados a facções criminosas. Às vezes, podem ser desentendimentos entre traficantes locais. Mas, na maior parte das vezes, há algum componente relacionado às drogas.

Qual tem sido o grande desafio para a Justiça dar andamento às ações?

Uma dificuldade é que, mesmo tendo a possibilidade do depoimento protegido, mesmo assim (as testemunhas) não querem falar. Existem casos em que aparecem testemunhas, mas até esses têm sido difícil a autoridade policial conseguir declarações.

Florianópolis tem uma Delegacia de Homicídios e uma vara exclusiva do júri. A estrutura está à altura?

Da parte do judiciário, a estrutura é suficiente para atender a demanda. O Ministério Público tem duas promotorias dedicadas à Vara do Júri, na minha percepção tem estrutura para absorver esse trabalho. Em relação à delegacia, não poderia dizer. Mas as delegacias historicamente têm dificuldade de contar com efetivo suficiente para dar conta de toda a investigação. Seria importante que tivesse mais pessoas especializadas, uma estrutura maior. 

O senhor é otimista quanto à mudança dessa realidade?

O que me preocupa é que essa ascendência dos homicídios iniciou no ano passado. E a gente analisa as consequências. Como lidar para que o fato não aconteça? Vem a necessidade de ter políticas públicas direcionadas principalmente para as comunidades carentes onde os fatos ocorrem. Poderia ter um trabalho maior de educação, assistência social. Só aumentar o policiamento não vejo que vá conseguir resolver o problema. 


 
 
 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCSegunda parte da etapa mais importante da obra da Ponte Hercílio Luz inicia em 2 de outubro https://t.co/H3ZzHKRPDlhá 41 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCHomem carbonizado no Papaquara, em Florianópolis, é a segunda vítima morta com crueldade na região https://t.co/UsVTlXFbXWhá 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros