'O que Joinville poderia ser e não se tornou (ainda) decorre de ausência de ousadia' - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Livre Mercado 04/03/2017 | 08h03

'O que Joinville poderia ser e não se tornou (ainda) decorre de ausência de ousadia'

Confira a crônica do colunista Claudio Loetz

'O que Joinville poderia ser e não se tornou (ainda) decorre de ausência de ousadia' Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação

Entramos na semana em que se comemora os 166 anos de fundação de Joinville, em 9 de março, quinta-feira. Os festejos já não ganham tanta atenção por parte dos seus moradores, cada qual gradualmente mais empenhado em construir suas próprias histórias. Natural. A Joinville bucólica de décadas passadas cedeu lugar a uma cidade com 600 mil habitantes, onde prevalecem as urgências da hora. As pessoas sequer se olham com a atenção de antes. Conversar, então, muito menos. Os tempos são de luta intensa para sobreviver em meio à selva de disputas por espaços profissionais e felicidades individuais.

Leia mais notícias do colunista Claudio Loetz

O mundo é de cada um. E já não é mais compartilhado. Bem ao contrário. A tecnologia contemporânea, com o frenético dedilhar em smartphones e videogames, sucedeu o bate-papo tranquilo nas varandas ou nos beirais de residências. As mãos já não passeiam mais nas praças. Nem se pula em árvores, buscando frutas. Viver ao ar livre é coisa do longínquo passado. Agora, há refúgios, não mais encontros. Os outros nos são cada vez mais estranhos. Foge-se do convívio.

O que isso tudo tem a ver com economia e negócios? Absolutamente tudo. Não é por acaso que empresas investem, cada vez mais, em produtos e serviços para clientes únicos – sejam solteiros ou viúvos, sejam aqueles afastados do meio social. Não é por acaso que os negócios do setor de segurança patrimonial crescem. As atividades são mais isoladas. O sorriso perdeu a naturalidade. Há pressa. E receios. Até mesmo de vizinhos, porque já não se sabe mais quem eles são. Paga-se o preço e vive-se as dores do crescimento.

Mais recentemente – de uns 30 anos para cá – a cada quinquênio que passa, a busca pessoal e individual por sucessos (de qualquer natureza), vem moldando uma sociedade na qual prevalece o “eu sozinho”, em detrimento do “nós coletivo”. Isso, evidentemente, é produto de uma época, não privilégio de um lugar no mapa-múndi. Joinville não é diferente de outros municípios de suas dimensões.

Por isso, é óbvio que essa procura incessante por instantes felizes tem se revelado cada vez mais frenética e, para muitos, desgastante. Neste ambiente de extrema competição, destacar-se do conjunto já nem é mais a ambição geral. O objetivo é não sucumbir.

Vivemos menos motivados a refletir sobre Ottokar Doerffell, Fritz Alt ou sobre a Harmonia-Lyra. E menos interessados ainda em falar de inúmeras histórias de Caxias e América. Certamente porque a maioria dos residentes só sabe que o América é um clube porque tem o bairro como origem – ou vice-versa. Do Caxias sobrou o Ernestão. Sobrou?

Ou relembrar da Confeitaria Dietrich, da Sorveteria Polar, do Cine Colon, dos programas de auditório das rádios AM, das manhãs acordando com o barulho das bicicletas chegando com as garrafas de leite entregues em casa, às 4 da madrugada. Até mesmo os muros baixos a predominar na paisagem urbana escasseiam, e erguem-se fortalezas em redor da classe média. Houve um tempo em que cada morador fazia o máximo esforço para ter o jardim mais bonito e florido de sua rua. Hoje, ainda os há, felizmente. Mas a brita e o cimento avançam.

Saudosismos de um mundo pacato no qual praticamente todos se conheciam; os passeios a pé eram comuns e os carros eram coisa de classe média alta. Houve tempo em que, na política, ganhavam-se (ou perdiam-se) eleições por causa de tachões e pregos colocados nas ruas sem calçamento momentos antes de adversários irem fazer
comícios nos bairros.

Joinville é, sim, uma cidade muito boa de se morar. E trabalhar. Geograficamente, fica entre Curitiba e Florianópolis; próxima a praias; o padrão de indústrias é qualificado. Joinville dispõe de infraestrutura de serviços públicos de aceitável para boa; possui escolas de boa qualidade. A cidade vem atraindo o interesse de empreendedores fugidos de metrópoles irrespiráveis.

O que Joinville poderia ser e não se tornou (ainda) decorre de ausência de ousadia, lá pelas décadas de 1970 e 80 do século passado. À época, havia fartos recursos federais disponíveis para amplos programas de investimentos em infraestrutura, mas nada foi feito mirando o futuro que chegou.

Joinville não descobriu a vocação turística com atividades ligadas ao espaço da baía da Babitonga. Descuidou do rio Cachoeira, e fazer sua despoluição, de agora em diante, é tarefa – tendo muito dinheiro – para gestores ao longo de pelo menos duas gerações. Essa falha é mais grave exatamente porque já faz três décadas que o processo civilizatório global usa a palavra ecologia para saudar a qualidade de vida.
No passado, optou-se por afastar os empregos – no Norte – das moradias, ao Sul – o que implica hoje certo grau de desumanidade para com os trabalhadores, obrigados, muitos deles, a percorrer 80 minutos de ônibus – vários ônibus – para ir ao trabalho (parece São Paulo !).
Se essas reminiscências servem para registrar uma mínima parte de um pedacinho de nossa história, devem servir, igualmente, para alertar os jovens a agirem com a responsabilidade necessária para não degradarmos nossas conquistas obtidas ao longo de 166 anos. E, fundamentalmente, para que se possa refletir e ter consciência para tornar a Joinville do futuro uma cidade mais humana e inteligente.
Nós veremos as conquistas de Joinville em amplo conteúdo que “AN” publicará na dição do dia 9. Na mesma edição, a coluna vai exercitar a arte de projetar o que gostaríamos que fosse a Joinville do futuro. Porque acreditar é preciso. E sonhar, indispensável.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Livre Mercado  28/02/2017 | 07h31

Claudio Loetz: Credores retomam bens em Joinville por falta de pagamento

Número de devoluções chega a 200 carros por mês na cidade

Livre Mercado  11/02/2016 | 07h06

Claudio Loetz: Espaço Inovaparq, em Joinville, será inaugurado no dia 17

Localizado no Perini Business Park, iniciativa vai apoiar empresas na tomada de decisões e antecipar tendências para negócios com estudos realizados por professores e alunos

Livre Mercado 18/01/2016 | 07h04

Claudio Loetz: Havan terá terceira loja construída em Joinville

Planos da empresa é de instalar também uma loja em Praia Grande e outra em Jundiaí

Livre Mercado 16/01/2016 | 11h34

Claudio Loetz: As dores cotidianas

Livre Mercado 15/01/2016 | 07h07

Claudio Loetz: Novas regras do Minha Casa, Minha Vida afetam as cidades do Norte de SC

Principal mudança trata do valor máximo dos apartamentos ou casas a serem financiadas pela Caixa Econômica Federal

Livre Mercado 11/01/2016 | 07h04

Governo do Estado quer acelerar o cadastro de propriedades rurais em SC

Prazo termina no dia 5 de maio e, até agora, pouco mais da metade dos imóveis foram regularizados

Livre Mercado 09/01/2016 | 06h31

Balança Comercial de Santa Catarina tem déficit de US$ 4,96 bilhões em 2015

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior divulgou balanço nesta semana

Livre Mercado 08/01/2016 | 07h02

Perini reforça a segurança com instalação de novas câmeras de monitoramento

Complexo localizado na zona industrial de Joinville terá equipamentos que reconhecem as placas de veículos em apenas três segundos

Livre Mercado 06/01/2016 | 07h09

Celesc firma contrato de concessão com cinco usinas catarinenses por 30 anos

Assinatura do contrato ocorreu em Brasília, nesta terça-feira. Entre as usinas está a do Bracinho, localizada em Schroeder

Livre Mercado 05/01/2016 | 07h07

CDL de Joinville projeta crescimento de 10% nas vendas do comércio em janeiro

Para presidente da entidade, Luiz Kunde, a presença de turistas e a permanência de moradores na cidade têm contribuído para a perspectiva otimista neste início de ano

Livre Mercado 04/01/2016 | 07h02

Em Joinville, Caixa registra aumento de imóveis comercializados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida em 2015

Foram comercializadas 1.918 unidades habitacionais, 45% mais do que em 2014

Livre Mercado 02/01/2016 | 12h17

Aeroporto de Joinville comemora avanços em 2015

Confira entrevista com Rones Rubens Heidemann, superintendente do aeroporto

Livre Mercado 30/12/2015 | 18h13

Walmart fecha unidades da rede Todo Dia em Joinville

Grupo americano não confirma número de unidades desativadas, apenas que serão "algumas"

Livre Mercado 30/12/2015 | 07h08

Mais da metade dos joinvilenses está com dívidas, diz pesquisa da Fecomércio

Índice de famílias endividadas na cidade atingiu 50,4% em dezembro. No ano passado, no mesmo mês, a taxa era 39,2%

Livre Mercado 29/12/2015 | 07h09

Mercado imobiliário de Joinville dá sinais de recuperação em alguns setores

Pesquisa encomendada pelo Sinduscon mostra que no terceiro trimestre deste ano foram comercializadas 40% mais unidades de prédios verticais do que no trimestre anterior

Livre Mercado 28/12/2015 | 06h31

Loetz: Trabalhadores das indústrias têxteis definem pauta de reivindicações

Documento tem 80 cláusulas e pede, entre outras coisas, a reposição da inflação oficial a partir de 1º de fevereiro

Livre Mercado 25/12/2015 | 19h12

Claudio Loetz, sobre 2016: "Luz no fim da escuridão? Sempre há. Precisaremos de paciência, determinação e disciplina"

Colunista faz análise sobre o que esperar da economia no ano que vem

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCPapo da Hora: alunos da Apae de Florianópolis participam de desfile de moda nesta quinta-feira:… https://t.co/USFZLMu9lKhá 22 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCDeap mobilizará 700 agentes em reforço das cadeias de SC no fim do ano #HoraSC https://t.co/B8gc9RPqFy https://t.co/g7tIMB0SbXhá 51 minutosRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca