Pílulas de Saber: tratamento enzimático poderá reduzir a lesão do fígado causada pelo alcoolismo - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Saúde08/05/2017 | 10h02Atualizada em 08/05/2017 | 10h02

Pílulas de Saber: tratamento enzimático poderá reduzir a lesão do fígado causada pelo alcoolismo

Segundo pesquisadores americanos, fosfatase alcalina intestinal impede o desenvolvimento de esteatose hepática (fígado gordo)

Pílulas de Saber: tratamento enzimático poderá reduzir a lesão do fígado causada pelo alcoolismo Jean Pimentel/Agencia RBS
Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS
Carlos Rogério Tonussi
Carlos Rogério Tonussi

tonussi@farmaco.ufsc.br

Uma enzima intestinal conhecida por evitar a passagem de toxinas bacterianas do sistema gastrointestinal para a corrente sanguínea pode ser capaz de prevenir ou reduzir os danos causados ao fígado pelo excesso de consumo de álcool. 

Pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, EUA, descreveram como doses orais de fosfatase alcalina intestinal (IAP) impediram o desenvolvimento de esteatose hepática (fígado gordo) em camundongos, tanto devido ao consumo agudo de altas doses de álcool como no seu consumo crônico.

O dano hepático é um dos efeitos mais devastadores do consumo excessivo de álcool e, portanto, bloquear esse processo poderia salvar milhões de vidas perdidas por doenças relacionadas ao álcool, como a esteatose e o câncer de fígado

Menos toxinas

Pesquisas anteriores do grupo em camundongos alimentados com uma dieta rica em gordura revelaram que a fosfatase alcalina intestinal ajuda a manter uma população microbiana intestinal saudável, evitando os efeitos prejudiciais de uma toxina liberada por estas bactérias, o lipopolissacarídeo (LPS)

Esta toxina inclusive está envolvida no desenvolvimento da síndrome metabólica — um conjunto de sintomas incluindo obesidade, metabolismo anormal de glicose e lipídios, e o fígado gordo. 

Sabendo que este LPS está envolvido na inflamação do fígado induzida pelo álcool, e que seus níveis no sangue aumentam com o consumo de álcool, a equipe de cientistas quis investigar agora se a administração oral dessa fosfatase poderia também prevenir a doença hepática devido a ingestão excessiva de álcool.

Os resultados indicaram que dar a fosfatase ácida antes, ou ao mesmo tempo, que uma dose alta de álcool, reduziu os níveis da enzima alanina aminotransferase (ALT) no sangue, um sinal comum de lesão hepática; reduziu a acumulação de gordura no fígado, que é o primeiro sinal de doença hepática alcoólica; e reduziu a produção de fatores inflamatórios. 

Enquanto que os camundongos que não receberam a enzima, apresentaram elevação, no sangue, do nível de LPS provindo das bactérias intestinais. Além de inflamação no fígado.

A estrela do show

A ativação das células estreladas hepáticas, que parece contribuir para a doença hepática gordurosa alcoólica, também foi diminuída pelo tratamento com a fosfatase. 

As células estreladas hepáticas são consideradas o elemento central na causa da fibrose hepática, o que, por sua vez, é o ponto comum que leva à morte na maioria das doenças hepáticas. 

Esses resultados sugerem que as células estreladas hepáticas ativadas estão envolvidas em estágios ainda mais precoces da doença hepática alcoólica e que a ativação pode ser prevenida por pré-tratamento com a fosfatase alcalina intestinal.

Leia mais dicas de saúde em Pílulas de Saber


 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCRolê com Edsoul: a Casan diz que obras forçam as interrupções no abastecimento. https://t.co/VaMeeihQvc https://t.co/hqO7tOdfgIhá 33 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCPapo da Hora: Unidade Básica de Saúde em Biguaçu promove Natal solidário. https://t.co/6wtYZoGWj1 https://t.co/BtuT3J36s1há 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca