Falando de Sexo: mito e verdades sobre a ejaculação feminina - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Saúde07/09/2017 | 13h36Atualizada em 07/09/2017 | 13h36

Falando de Sexo: mito e verdades sobre a ejaculação feminina

Colunistas Lúcia Pesca e Andréa Alves tiram dúvidas de leitores  

Hora de Santa Catarina
Hora de Santa Catarina

redacaohsc@somosnsc.com.br

* Pessoal, vi um filme e gostaria de ter uma explicação! A personagem parece estar tendo um orgasmo com a urina. Isto procede? Obrigada.

Foto: Reprodução / Inmagine Free

Querida leitora, vamos explicar melhor esta situação. No corpo feminino, a uretra, canal por onde passa a urina, fica bem perto do clitóris e da entrada da vagina. Durante o orgasmo, a mulher não consegue urinar. Mas, enquanto isso, a vagina passa por uma série de contrações em seus músculos internos.

Algumas mulheres, neste momento, liberam um líquido, uma espécie de ejaculação feminina. Isso mesmo! Acontece em virtude da intensidade das contrações musculares na hora do clímax. Algumas pessoas chegam até a achar que se trata de urina. Este deve ter sido o seu caso.

Treinamento

Esses músculos vaginais dos quais falamos no início da coluna podem ser treinados e exercitados para ficarem mais fortes, você sabia? Isto é feito através de uma técnica chamada exercícios de Kegel ou pompoarismo. As mulheres adeptas desta prática são capazes de chegar a orgasmos mais intensos, facilitando uma possível ejaculação feminina.

Explicação

Na década de 1980, médicos encontraram uma explicação para este mistério que causa dúvidas em tanta gente. O líquido que você viu no filme não é urina. Ele vem da uretra, não tem cheiro e é praticamente igual ao da ejaculação masculina. Em torno de 10% das mulheres conseguem esse tipo de ejaculação.

Leia todas as colunas do Falando de Sexo
Leia mais notícias da Hora de SC 

 
Hora de Santa Catarina
Busca