Empresa retira equipamentos de escola em Palhoça por falta de pagamento do governo estadual - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

Educação07/12/2017 | 11h44Atualizada em 07/12/2017 | 18h28

Empresa retira equipamentos de escola em Palhoça por falta de pagamento do governo estadual

Transformadores que permitiriam o bom funcionamento da energia elétrica da escola Ivo Silveira foram removidos

Empresa retira equipamentos de escola em Palhoça por falta de pagamento do governo estadual Valéria Pinto dos Santos/Arquivo Pessoal
Foto: Valéria Pinto dos Santos / Arquivo Pessoal

Segue a epopeia dos estudantes, funcionários e professores da Escola Estadual Ivo Silveira, no Centro de Palhoça, por melhores condições para as aulas. Depois de batalhar por mais de um ano para conseguir os aparelhos de ar-condicionado que diminuiriam o calor no verão, fato que rendeu à escola o apelido "sauna de aula", a unidade de ensino sofreu um novo baque nesta quinta-feira, 7. 

Desde o começo do ano os aparelhos estavam empilhados na biblioteca à espera da instalação de transformadores que alimentariam a rede elétrica e permitiriam seu pleno funcionamento. Depois da instalação, faltavam os fios que fariam a ligação da rede para, enfim, colocar os equipamentos de ar-condicionado em funcionamento. Acontece que por falta de pagamento do governo de Santa Catarina, a empresa responsável pela instalação dos transformadores e pela reforma do complexo esportivo da escola retirou os equipamentos na manhã desta quinta, como mostra o vídeo abaixo. Os equipamentos de ar-condicionado, guardados desde o começo do ano, nem chegaram a funcionar. 

— Não estávamos sabendo de nada, a bomba estourou essa manhã. Além do problema do ar-condicionado, a infraestrutura da escola está péssima. O governo mostra uma propaganda de que está tudo certinho, mas a reforma na escola não foi concluída, a empresa também está construindo a quadra poliesportiva e ameaça retirar o piso por causa do calote do governo, as lâmpadas queimam o tempo todo, a internet não funciona direito. Nossa realidade é triste — lamenta a professora de Biologia e membro do conselho deliberativo da escola, Valéria Pinto dos Santos.

A empresa responsável pelos transformadores confirmou a retirada do equipamento por falta de pagamento do governo estadual. A gerência de obras da E.S.E. Construções enfatizou que não tem a intenção de prejudicar os alunos da escola, mas que esta foi a única maneira de chamar a atenção do governo estadual para o atraso no pagamento do contrato em vigor.

Empresa retira equipamentos após calote do governo do estado
Foto: Valéria Pinto dos Santos / Arquivo Pessoal

De acordo com o portal da transparência do governo estadual, a empresa foi contratada por aproximadamente R$ 10,5 milhões para fazer a construção do complexo esportivo e a melhoria da rede elétrica. As informações no portal dão conta de que o governo atrasou o pagamento de R$ 17.662,35 e ainda avalia o pagamento de mais R$ 476.385,59, já empenhado pela empresa. 

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação informou que "está sendo feita a troca do transformador e a construtora responsável fechará o serviço de elétrica ainda neste mês de dezembro".  Sobre os pagamentos, disse que "está em tramitação o aditivo de serviço para conclusão da obra no valor de R$ 330.465,94. O valor de R$ 17.662,35 é referente aos reajustes automáticos gerado pelo Sistema Integrado de Controle de Obras Públicas  (Sicop), com previsão de pagamento na próxima medição. Os demais valores serão mudados muito em virtude do serviço de complementação da obra, sendo eles suprimidos ou trocados conforme aditivo em tramitação. A SED reitera que hoje (quinta) pela manhã uma equipe esteve na escola e marcou reunião com o diretor e o Conselho deliberativo para próxima quarta-feira, 13. Com o término das aulas será feita vistoria geral da obra para, durante o período de férias, serem feitos todos os trabalhos necessários".

Leia mais:
SC tem 35% das obras de escolas e creches paralisadas ou em atraso
Apenas 13,5% das cidades de SC têm todas as crianças entre 4 e 5 anos na escola
Moradores questionam poucas vagas para a Creche de Verão 2018, em Florianópolis
Pais acampam em ginásio de Palhoça para garantir matrícula dos filhos em escola
Pais relatam falta de produtos de higiene e água em creche de Florianópolis
Poucas creches, má qualidade do ensino e trabalho infantil afastam Brasil de metas da ONU



 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCRolê com Edsoul: descarte o lixo no local correto. https://t.co/ujC7TKEqTT https://t.co/ElSlNdaFslhá 6 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCRodrigo Faraco: Avaí tem que iniciar o processo de remontagem. https://t.co/rHCjRoIwK7 https://t.co/AEd5SilfVFhá 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca