Rússia diz que 'não há acordo' na ONU sobre cessar-fogo na Síria - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

 

Nações Unidas22/02/2018 | 17h39

Rússia diz que 'não há acordo' na ONU sobre cessar-fogo na Síria

AFP
AFP

A Rússia disse nesta quinta-feira (22) que "não houve acordo" no Conselho de Segurança da ONU sobre um cessar-fogo de 30 dias na Síria para permitir a entrega de ajuda humanitária e evacuações médicas.

O embaixador russo, Vassily Nebenzia, apresentou modificações a um projeto de resolução que esteve em negociação por quase duas semanas, enquanto o governo da Síria continua sua forte ofensiva sobre o enclave rebelde da Guta Oriental, que deixa mais de 400 mortos.

Na reunião convocada por Moscou, o diplomata disse que a Suécia e o Kuwait - que apresentaram a proposta de resolução - solicitaram a votação do texto quando estavam "plenamente conscientes de que não há um acordo sobre o mesmo".

O Conselho de Segurança precisa alcançar um acordo "factível" sobre o cessar-fogo e não tomar uma decisão que possa ser "populista" e "distante da realidade", disse Nebenzia.

Mais de 400 pessoas morreram desde domingo, quando o governo sírio iniciou uma poderosa ofensiva aérea na Guta Oriental.

O embaixador russo assinalou preocupações sobre as medidas para fazer cumprir o cessar-fogo e a entrega de ajuda humanitária. Depois anunciou que apresentaria propostas para modificar o processo de resolução.

Suécia e Kuwait apresentaram o rascunho da resolução em 9 de fevereiro, mas as negociações paralisaram, enquanto as forças sírias - apoiadas pela Rússia - aumentaram sua ofensiva.

Estados Unidos, França e Reino Unido pediram ao Conselho para acelerar a votação.

"A emergência sobre o terreno é absoluta" e "é essencial adotar rapidamente" a resolução discutida pelo Conselho, disse o embaixador francês na ONU, François Delattre.

O Conselho deve apoiar um cessar-fogo para "evitar uma situação que está além das palavras em seu desespero", disse o embaixador sueco Olof Skoog.

Segundo a proposta de resolução, a trégua entraria em vigor 72 horas depois que fosse adotada e nas 48 horas seguintes começaria a entrega de ajuda humanitária e as evacuações médicas.

O chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, disse que seu pai apoiaria a medida se não fosse aplicada aos grupos rebeldes que bombardeassem Damasco.

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca