Conheça a história da Rússia que fica em Biguaçu - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

 

Aniversário de 185 anos17/05/2018 | 05h06Atualizada em 17/05/2018 | 05h06

Conheça a história da Rússia que fica em Biguaçu

Além do nome, o bairro tem outra semelhança com o país sede da Copa do Mundo de 2018: é famoso por seus gramados

Conheça a história da Rússia que fica em Biguaçu Cristiano Estrela/Diário Catarinense
Francisco Bernard Reitz Foto: Cristiano Estrela / Diário Catarinense

O verde intenso dos gramados da Rússia salta aos olhos. O tapete está impecável. Tudo pronto para a bola rolar. Mas essa não é a sede da Copa do Mundo. Estamos na Rússia de Biguaçu, na Grande Florianópolis. Nesta quinta-feira, dia 17, aniversário de 185 anos do município, a Hora conta a história da localidade do bairro Santa Cruz que leva o nome do país sede do Mundial da Fifa 2018, que começa em junho. 

São 12 mil quilômetros que separam o Kremlin da comunidade do interior de Biguaçu, mas a grama daqui não deixa nada a desejar para a do Estádio de Rostov, onde a Seleção Brasileira estreia contra a Suíça daqui a exatamente um mês.

A Rússia de Biguaçu vive praticamente do cultivo de grama. Há pouca atividade agrícola e criação de gado. No local também fica a distribuidora da Petrobras, a Transpetro, e alguns hotéis utilizados basicamente pelos trabalhadores da estatal. Mas são os campos verdejantes a perder de vista e muito bem tratados a grande atração visual da região.

Num desses gramados trabalha Francisco Bernard Reitz, um camponês alto e forte de 63 anos. O biguaçuense cuida da grama com carinho e, em tempos de Copa, revela uma mágoa com a localidade onde nasceu: "tanta grama boa e nenhum campo de futebol". Francisco foi jogador no passado, pegava de zagueiro, "jogava uma bolinha caprichada!". Ele lembra que na Rússia havia um time de futebol, o Atlético. Mas, há cerca de 15 anos, a equipe foi encerrada. Para o grameiro, não tem mais atleta na região.

— No meu tempo, os pais tinham dez filhos. No Atlético, jogavam eu e mais quatro irmãos. Agora as famílias têm um filho e olhe lá — compara.

Hoje o único futebol praticado ali perto é no campo da Amesc, no vizinho loteamento Santa Catarina. 

 RÚSSIA, BIGUAÇÚ, SC, BRASIL, 07/05/2018: Rússia é uma localidade do município de Biguaçú. Na foto: Francisco Reitz  (Foto: CRISTIANO ESTRELA / DIÁRIO CATARINENSE)
Francisco é grameiro na comunidadeFoto: Cristiano Estrela / Diário Catarinense

Segunda Guerra Mundial deu origem ao nome da localidade

Não há nenhum registro oficial, mas ouvindo moradores da comunidade para saber a origem do nome Rússia, as histórias se repetem. O bairro Santa Cruz é cortado por um morro que divide dois povoados que historicamente foram rivais. Na época da Segunda Guerra Mundial, os moradores do lado oposto à atual Rússia iam para as festas de igreja na localidade e sempre acabavam arrumando confusão. A Alemanha perdeu a guerra para os soviéticos, e o povoado que expulsou os brigões se autointitulou Rússia. O outro lado virou Alemanha. O país perdeu a guerra e a briga no interior de Biguaçu, mas é o atual campeão mundial de futebol.

— Havia muita briga entre as duas comunidades. Depois, entre eles mesmos, colocaram os nomes Rússia, que era a chegada, e Alemanha, a saída. Isso em função da guerra e porque as duas comunidades não se combinavam — explica o historiador Rogério Kremer, membro da Academia de Letras de Biguaçu.

Manoel Antônio Gonçalves, de 99 anos, é o morador mais antigo da Rússia. Saiu de São José em 1949 e, quando chegou à localidade, ela já havia sido batizada, por isso não pegou a disputa com a Alemanha. Trabalhou a vida todo como carreteiro, levando carga, quase sempre grama, para Florianópolis.

— Não tinha estrada, era uma entrada estreitinha, só pra boi. Onde estão aqueles restaurantes era um grande banhado — lembra o idoso, apontando para os prédios na frente de casa.

Tantas décadas depois, Manoel diz que pouca coisa mudou na comunidade. Hoje acompanha a movimentação alta de caminhões que levam material para a construção do contorno viário da BR-101, e passam diariamente pela Estrada Geral da Rússia fazendo muito barulho e maltratando o chão.

Com problemas de coluna, Manoel pouco sai de casa – só para ir à igreja. A capela de Santa Cruz, inclusive, ele ajudou a erguer. Assim como o grameiro Francisco, Manoel também lamenta a falta de bola rolando na comunidade.

— O pessoal gosta muito de ir na venda tomar uma coisinha. Mas tem que botar um jogo de futebol, é bom pro pessoal de divertir.

 RÚSSIA, BIGUAÇÚ, SC, BRASIL, 07/05/2018: Rússia é uma localidade do município de Biguaçú. Na foto: Manoel Gonçalvez  (Foto: CRISTIANO ESTRELA / DIÁRIO CATARINENSE)
Manoel é o morador mais antigoFoto: Cristiano Estrela / Diário Catarinense

CURIOSIDADES

O futebol na cidade

Conforme um trabalho de pesquisa do jornalista Ozias Alves Jr., que estuda a história de Biguaçu, o futebol chegou à cidade na década de 1920. O primeiro time do município foi o Jaú. Segundo Ozias, o clube de futebol mais antigo ainda em atividade é o Limeira, fundado em 1945. O maior e mais tradicional é o Biguaçu Atlético Clube (BAC), de 1955. O principal ginásio de esportes é o Nagib Salum, batizado em homenagem ao esportista muito popular na cidade nos anos 30 e 40. A Liga de Futebol Amador da Comarca de Biguaçu (Licob) é a entidade que promove os campeonatos municipais. Existe outra entidade, a Associação dos Clubes de Biguaçu (Asclubig), mas esta não é filiada à Federação Catarinense de Futebol (FCF).

De Biguaçu para a Seleção Brasileira 

O lateral esquerdo André Santos se criou na cidade. O atleta começou a jogar na escolinha Biguá e foi revelado no Figueirense. Teve passagens por Flamengo, Corinthians e Grêmio, e no futebol internacional defendeu Arsenal e Fenerbahçe. Jogou na Seleção Brasileira de 2009 a 2013. Hoje, aos 35 anos, joga no Boluspor, da Turquia. Em 2011, a Câmara de Vereadores da cidade outorgou o título de Cidadão Honorário de Biguaçu ao atleta, que nasceu em São Paulo. 

— Passa um filme pela minha cabeça, quando comecei ainda menino a jogar bola por aqui e agora volto com meu trabalho reconhecido e muito orgulhoso de poder representar a cidade por todo o mundo — declarou o lateral à época.

Prefeitura promete pavimentar a estrada

A estrada geral da comunidade tem um trecho de 1,3 quilômetros feito de lajotas. A via continua sem pavimentação até o loteamento Santa Catarina. Há ainda uma estrada que liga a São José e tem grande tráfego de caminhões.

— Temos projeto para asfaltar a Estrada Geral da Rússia, mas não podemos iniciar enquanto o contorno não for concluído. Enquanto isso vamos continuar realizando a manutenção – prometeu o prefeito Ramon Wollinger.

O primeiro trecho, hoje pavimentado com lajotas, deverá ser substituído por asfalto. O segundo deve ser executado após a construção de um túnel previsto no contorno.

PROGRAMAÇÃO

O município promove programação cultural gratuita com atrações até o dia 20 de maio. O destaque é o show nacional com a banda Titãs, nesta quarta-feira, a partir das 21h. Confira a programação completa do dia na Praça Nereu Ramos:

9h Caminhada Pela Paz
14h Desafio de Velocidade
14h Apresentação de Artes Marciais, Karatê, Capoeira e Judô
14h30min Tenda de Artes Marciais
15h Abertura do Parque Infantil
15h45min Apresentação da Escola de Música
16h Corte do Bolo
20h Show da  Banda Na Pilha
21h05min Show Nacional da  Banda Titãs

Leia mais notícias da Grande Florianópolis


 
Hora de Santa Catarina
Busca