Iraque vai recontar manualmente votos das legislativas por suspeitas de fraude - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

 

Bagda21/06/2018 | 11h07

Iraque vai recontar manualmente votos das legislativas por suspeitas de fraude

AFP
AFP

A Suprema Corte Federal, principal tribunal constitucional do Iraque, ordenou a recontagem manual dos 11 milhões de votos registrados nas eleições legislativas de 12 de maio, um procedimento longo, a poucos dias do fim do atual mandato do Parlamento.

Analistas consideram, no entanto, que a decisão deve mudar pouco os resultados da votação, que terminou com vitória da lista do populista Moqtada Sadr.

Aliada aos comunistas, a lista de Sadr venceu o grupo de ex-combatentes antijihadistas, próximos ao Irã. O partido do atual primeiro-ministro, Haider Al Abadi, ficou em terceiro lugar.

Desde a vitória das listas antissistema, várias personalidades políticas pedem uma nova apuração dos votos e até a anulação do pleito.

O Parlamento constatou irregularidades e afirmou que recebeu queixas após a introdução da apuração eletrônica.

O tribunal considera que a decisão do Parlamento de 6 de junho a favor de uma recontagem manual "não viola os dispositivos da Constituição", afirmou o presidente da Suprema Corte, Medhat al-Mahmud.

A recontagem afeta quase 11 milhões de cédulas, incluindo os votos dos moradores no exterior, dos deslocados e dos membros das forças de segurança.

"A anulação dos resultados das eleições no exterior, dos deslocados e das forças de segurança seria um confisco da vontade dos eleitores", disse o presidente da corte, cuja decisão é irrevogável.

O Parlamento havia decidido anular os votos destas três categorias por fortes suspeitas de fraude.

A Suprema Corte também decidiu substituir nove membros da Comissão Eleitoral por um número igual de juízes, que devem supervisionar a recontagem.

A nova apuração poderia demorar semanas, ou meses, apesar do atual mandato do Parlamento acabar oficialmente em 30 de junho.

Para o jurista Haidar al-Sufi, "esta operação manual não teria como modificar radicalmente o resultado".

"Os grandes blocos poderiam ganhar ou perder três ou quatro cadeiras, mas, de qualquer modo, nenhum tem a possibilidade de formar governo sozinho. O sistema de alianças é obrigatório", disse À AFP.

O sistema estabelecido após a queda de Saddam Hussein em 2003 foi pensado para impedir o retorno da ditadura de um partido hegemônico.

Além disso, antes mesmo do anúncio de uma nova recontagem, as duas listas mais votadas anunciaram uma aliança para governar o país nos próximos quatro anos.

Já o também jurista Tarek al-Marmuri acredita que a recontagem manual pode modificar os resultados nas regiões sunitas e curdas.

Se a nova contagem demorar semanas, "acontecerá um vazio legislativo, mas não constitucional, já que o governo atual continuará tratando dos temas correntes", disse Marmuri.

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca