Ataque à reunião da Otan no Afeganistão deixa vários mortos - Geral - Hora de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Kandahar18/10/2018 | 13h24

Ataque à reunião da Otan no Afeganistão deixa vários mortos

AFP
AFP

Um ataque reivindicado pelo Talibã na sede do governo regional de Kandahar, na presença do comandante das forças da Otan no Afeganistão, fez três mortos, incluindo uma autoridade da polícia afegã, e doze feridos.

O general americano Scott Miller, que participava de uma reunião sobre a segurança antes da eleição legislativa no sábado neste país, não ficou ferido, segundo um porta-voz da missão da Otan.

Três americanos ficaram feridos na troca de tiros: um civil, um militar e um funcionário de uma empresa de segurança privada.

"Os principais albos do ataque eram o general Miller e o chefe da polícia de Kandahar, o brutal general Abdul Raziq", anunciou o Talibã, segundo o centro americano de supervisão de sites extremistas Site.

De acordo com um porta-voz do Pentágono, o tenente-coronel Kone Faulkner, "o general Miller não foi visado". Os únicos albos eram "o general Raziq e/ou o governador" Zalmai Wesa, acrescentou.

"O general Raziq e o chefe da província do NDS - o serviço de inteligência do Afeganistão - foram mortos e o governador está em estado crítico", afirmou à AFP uma autoridade da segurança de Kandahar.

Considerado um pilar do regime em sua luta contra os insurgentes na província de Kandahar, o general Abdul Raziq já havia sido alvo de uma série de atentados.

Seis dos seus guarda-costas e dois membros do serviço de inteligência afegão ficaram feridos, acrescentou a fonte, que pediu para não ser identificada.

De acordo com o centro de apoio à mídia no Afeganistão, o NAI, um jornalista também teria sido morto no tiroteio.

Um funcionário do hospital de Kandahar disse à AFP que vários altos funcionários haviam ingressado na sala de emergência. Ele não forneceu mais detalhes.

"O atirador era um dos guardas do governador. Ele foi morto", declarou à AFP a fonte da segurança de Kandahar.

Em sua mensagem reivindicando a ação, os talibãs afirmaram que o autor do tiroteio era "um infiltrado".

Um fotógrafo correspondente da AFP estava presente na reunião entre o general Miller e o general Raziq antes do ataque. "Assim que saí do prédio, o tiroteio começou", ele testemunhou.

As forças de segurança isolaram os arredores do palácio.

Eleições legislativas estão programadas para o sábado no Afeganistão, e as forças de segurança estão em alerta enquanto o Talibã e o Estado Islâmico (EI) anunciaram que vão realizar ataques.

Pelo menos dez candidatos foram mortos em ataques direcionados durante a campanha. Na quarta-feira, um ex-general do exército afegão que lutou contra o Talibã e concorria pela província de Helmand (sul) foi morto em um ataque igualmente reivindicado pelo Talibã.

A campanha eleitoral foi pontuada por ataques durante os comícios eleitorais que fizeram dezenas de civis mortos.

Cerca de 54.000 membros das forças de segurança foram mobilizados para garantir a segurança das 5.000 assembleias de voto. Por motivos de segurança, outras 2.000 não serão abertas.

Em uma declaração na quarta-feira, o Talibã pediu aos professores e diretores que "não deixem as escolas se transformarem em centros de votação".

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca