Itália envia policiais à fronteira com a França após devolução de migrantes - Geral - Hora de Santa Catarina

Versão mobile

 

Roma20/10/2018 | 12h14

Itália envia policiais à fronteira com a França após devolução de migrantes

AFP
AFP

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, anunciou neste sábado o envio de policiais para a fronteira com a França e assim evitar a devolução de migrantes, depois de expressar indignação com um episódio ocorrido na sexta-feira em Clavière (Piamonte, norte da Itália), considerado normal pelo governo francês.

"O enésimo abuso das autoridades francesas, que se beneficiam da boa fé de nossa polícia, terá consequências: enviaremos patrulhas a Clavière para controlar e vigiar a fronteira", escreveu Salvini nas redes sociais.

O anúncio foi acompanhado fotos de policiais italianos no mesmo local em que uma viatura da polícia francesa deixou três migrantes na sexta-feira.

Salvini, político de extrema-direita, divulgou um vídeo da devolução de migrantes para o território italiano, um "ato hostil" segundo ele. As imagens foram filmadas na manhã de sexta-feira por um morador da cidade e mostram um carro da polícia francesa deixando três pessoas antes de retornar para o território francês, a poucos metros de distância.

"Vídeo incrível, a divulgar amplamente!", comentou o ministro italiano nas redes sociais.

"Quem são estas pessoas? De onde vêm? ¿Por quê não fomos prevenidos? Sem explicações rápidas, completas e convincentes, estamos diante de uma provocação e um ato hostil", declarou.

A prefeitura francesa da região explicou que este é um "procedimento de não admissão na fronteira, totalmente de acordo com a prática consensual entre as polícias francesa e italiana e conforme ao direito europeu".

As autoridades francesas afirmaram que as três pessoas foram vetadas em um posto de fronteira e a delegacia italiana mais próxima, a de Bardonnecchia, foi informada a respeito.

A cada ano, milhares migrantes que tentam entrar na França são interceptados e levados de volta para a fronteira italiana.

Neste sábado, Salvini retomou as críticas: "É surreal! Os comissários europeus nos dão lições e, no entanto, continuam descarregando das caminhonetes em nosso território dezenas e centenas de migrantes, sem que Bruxelas fale nada".

"Peço a (o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude) Juncker que apresente uma resposta firme, pois é claro que isto é um escárnio com os italianos e as normas europeias", completou.

No início da semana, Salvini denunciou uma "ofensa sem precedentes", depois de uma operação da polícia francesa para deixar migrantes em uma área de florestas do território italiano.

Neste caso, a França reconheceu um "erro" e alegou que os policiais não conheciam bem a região, mas um porta-voz do presidente francês, Emmanuel Macron, acusou Salvini de "uso político" do caso.

As relações entre Roma e Paris ficaram tensas nos últimos meses. A Itália acusa os sócios europeus - especialmente a França - de deixar o país sozinho diante da crise e dos 700.000 migrantes que chegaram a suas costas desde 2013.

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca