Venezuela acusa Mogherini de tentar quebrar sua 'estabilidade social' - Geral - Hora de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Caracas26/10/2018 | 17h55

Venezuela acusa Mogherini de tentar quebrar sua 'estabilidade social'

AFP
AFP

A Venezuela acusou a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, de tentar quebrar sua estabilidade social ao afirmar que serão mantidas as sanções do bloco contra o governo de Nicolás Maduro.

"Suas declarações representam um arrogante ato de ingerência que questiona o pretendido interesse da União Europeia de promover relações cordiais com a Venezuela", aponta um comunicado da chancelaria difundido nesta sexta-feira (26).

"Ele registrou a intenção europeia de estimular, sob a tutela do governo belicista da Casa Branca, o colapso da estabilidade social na Venezuela", acrescentou a nota oficial.

O governo de Maduro criticou que Mogherini "pretende dar lições sobre direitos humanos", ignorando "as múltiplas violações da dignidade humana cometidas diariamente em seu território".

"A Venezuela pede às autoridades burocráticas da União Europeia que cumpram de forma plena e transparente seus papéis de facilitadores do diálogo político entre os Estados-membros da UE e a Venezuela, e insta-os a abandonarem suas posições intervencionistas", acrescentou o comunicado.

A Alta Representante de Política Externa e de Segurança Comum da UE assegurou recentemente que as condições para um diálogo na Venezuela não estão dadas.

Mogherini, que voltou a rejeitar qualquer tentativa de intervenção no país petroleiro, também deixou claro que as sanções da UE serão mantidas.

A UE sancionou Maduro e vários de seus funcionários mais próximos, acusando-os de atentar contra a democracia e violar os direitos humanos. Os Estados Unidos, por sua vez, sancionou financeiramente Maduro, a altos funcionários do governo chavista, e à estatal Petróleos da Venezuela.

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca
Imprimir