Atentado suicida deixa 43 mortos em encontro religioso em Cabul - Geral - Hora de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Cabul20/11/2018 | 15h27

Atentado suicida deixa 43 mortos em encontro religioso em Cabul

AFP
AFP

Ao menos 43 pessoas morreram nesta terça-feira em um ataque suicida com bomba durante uma reunião de altos líderes religiosos em Cabul, em um dos atentados mais letais na capital afegã nas últimas semanas.

Outras 83 pessoas ficaram feridas no atentado, informou o porta-voz do Ministério da Saúde, Wahid Majroh. Ao menos 24 estão em estado crítico.

O ataque ocorreu em um salão de festas durante a reunião de ulemás para comemorar o aniversário do profeta Maomé, e chega após várias semanas de uma onda de violência no país que deixou centenas de mortos.

"Um suicida detonou sua carga explosiva no local durante uma cerimônia", disse o porta-voz da polícia de Cabul, Basir Mujahid, confirmando o balanço.

O Ministério da Defesa confirmou a informação e ressaltou que "na cerimônia participavam tanto o público como ulemás de todo o país".

"A informação inicial" sugere que a explosão "foi causada por um agressor suicida" explicou o porta-voz do Ministério do Interior, Najib Danish.

A ONG italiana Emergency indicou no Twitter que uma dúzia de feridos foram internados em seu centro de assistência de Cabul, todos "gravemente feridos".

Um dos dirigentes do Uranus Wedding Palace, que também recebe eventos políticos e religiosos, disse à AFP que o agressor provocou a explosão no meio de um evento no qual havia cerca de 1.000 pessoas.

"Há muitas vítimas, contei 30", disse à AFP, pedindo anonimato.

Por enquanto o ataque não foi reivindicado, mas o grupo Estado Islâmico reivindicou a maioria dos últimos ataques suicidas em Cabul, cidade que se tornou a mais perigosa do país para os civis.

- Eleições e violência -

Este é um dos atentados mais letais cometidos na capital afegã desde o mês de setembro, quando um duplo ataque com bomba deixou ao menos 26 mortos.

Em setembro outro ataque suicida contra afegãos que protestavam contra a nomeação de um chefe da polícia local na província de Nangarhar, leste, deixou ao menos 68 mortos e feriu 165 pessoas. Nenhum grupo reivindicou a explosão.

Em janeiro, uma ambulância repleta de explosivos foi detonada em uma rua movimentada no centro de Cabul, deixando ao menos 100 mortos, em sua maioria civis. O ataque foi reivindicado pelos talibãs.

As eleições legislativas do mês passado foram acompanhadas de uma onda de violência em todo o país. Centenas de pessoas morreram ou ficaram feridas em ataques vinculados às eleições.

Não é a primeira vez que as milícias atacam religiosos.

Em junho, um caminhão-bomba explodiu perto de uma reunião de clérigos em Cabul uma hora depois de que o grupo condenou esses tipos de ataques, considerando-os como pecados.

O ataque desta terça-feira ocorre em um momento em que os talibãs pressionam as forças de segurança afegãs, apesar dos esforços da comunidade internacional para iniciar um diálogo de paz.

O enviado especial dos Estados Unidos, Zalmay Khalilzad, disse no domingo em Cabul que espera que se chegue a um acordo de paz para pôr fim a 17 anos de guerra antes da eleição presidencial de abril.

* AFP

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCFigueirense aguarda por 'reforços' após brecha no calendário da Série B  https://t.co/lmPRPlfVMDhá 1 horaRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCNorte-americanos vencem o Ironman Brasil 2019, em Florianópolis  https://t.co/e1TVv5ewbLhá 1 horaRetweet
Hora de Santa Catarina
Busca