Um quinto das empresas estatais venezuelanas está inoperante, segundo ONG - Geral - Hora de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Caracas16/11/2018 | 21h07

Um quinto das empresas estatais venezuelanas está inoperante, segundo ONG

AFP
AFP

Um quinto das empresas estatais venezuelanas está inoperante por um mau gerenciamento, enquanto dezenas enfrentam denúncias de corrupção, de acordo com um estudo da ONG Transparência Venezuela divulgado nesta sexta-feira (16).

Das 576 companhias que o Estado é proprietário ou possui a maioria acionária, "somente 467 estão operando", assinala o relatório, o que indica que quase 20% pararam de funcionar.

A organização identificou como causas "a falta de manutenção, a destruição de equipamentos gerenciais, a preponderância da ideologia e a lealdade ao modelo político, o aumento do gasto corrente" e a ausência de controles.

Segundo a Transparência, 441 empresas estatais, uma grande maioria, foram criadas ou adquiridas durante os governos socialistas do falecido Hugo Chávez (1999-2013) e de Nicolás Maduro, "por via de expropriações, confiscos, nacionalizações e re-estatizações".

A pesquisa se aprofundou em 160 empresas em setores-chave, como agroalimentos, hidrocarbonetos, mineração e metalurgia, e serviços públicos.

Desse conglomerado, "74,4% têm denúncias públicas de corrupção ou de práticas ilícitas", o que evidencia o predomínio a predominância de um "modelo cleptocrático", destacou o documento.

O outrora rico país petroleiro enfrenta uma grave crise caracterizada pela escassez de alimentos e remédios, cinco anos de recessão e uma inflação que, de acordo com o FMI, chegará a 1.350.000% em 2018 e a 10.000.000% em 2019.

O colapso foi acentuado com a queda da produção de petróleo, que fornece 96% da renda deste país dependente das importações.

O bombeamento passou de 3,2 milhões de barris por dia para 1,7 milhão de barris em outubro, segundo dados oficiais e da Opep.

A petroleira Pdvsa, que, segundo a ONG, tem 100 empresas ligadas a ela, é chefiada pelo general Manuel Quevedo. Outras 75 corporações têm um militar como autoridade máxima, de acordo com a investigação.

A Transparência observou que a perda de competitividade das empresas públicas ocorreu apesar do fato de que entre 2003 e 2015 "receberam mais de 500 bilhões" de dólares "sem contar os recursos alocados via fundos fiscais".

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca