Julgamento de ex-diretores da Ford por cumplicidade com a ditadura argentina chega ao fim nesta terça - Geral - Hora de Santa Catarina

Vers?o mobile

 
 

Buenos Aires11/12/2018 | 13h07

Julgamento de ex-diretores da Ford por cumplicidade com a ditadura argentina chega ao fim nesta terça

AFP
AFP

O julgamento de dois ex-diretores da montadora Ford acusados de cumplicidade na perseguição de representantes sindicais durante a ditadura argentina (1976-1983) termina nesta terça-feira, com a leitura do veredito.

"Se não tivesse sido pela vontade e o apoio do povo, não teríamos chegado até aqui. Mas a questão dos direitos humanos está bem inserida (na Argentina), já não é algo que se discute", declarou à AFP Pedro Troaini, uma das vítimas, antes de entrar na sala de audiências.

Após um ano de processo, os acusados Héctor Sibilla, ex-diretor de segurança da Ford, e Pedro Muller, ex-gerente de manufatura, poderão dizer algumas palavras antes do anúncio da sentença.

"Só quero falar da minha vida pessoa. Cheguei ao país em dezembro de 1949 e encontrei trabalho como mecânico automotor e assim paguei meus estudos. Desde então nunca parei de trabalhar. Me dei conta que tinha que trabalhar de maneira apolítica. Tenho a consciência tranquila porque jamais fui acusado por minha conduta", declarou Muller, o único que falou nesta terça-feira perante o tribunal.

A Promotoria solicitou penas de 25 anos de prisão, a máxima prevista para os crimes de privação ilegal de liberdade e tormentos.

"Esperamos um veredicto de responsabilidade, para que fique claro que houve cumplicidade empresarial com a ditadura. É muito importante para a história da Argentina", declarou à AFP Tomás Ojea, advogado das vítimas.

Esta é a primeira vez que ex-diretores de uma multinacional são julgados na Argentina por crimes vinculados à ditadura.

No processo também figura como acusado o ex-general Santiago Riveros, que comandou o centro de detenção clandestino Campo de Mayo e já foi condenado anteriormente por crimes contra a humanidade em outros julgamentos sobre a ditadura.

"A vitória é de ter chegado até aqui, ter feito com que este julgamento acontecesse e feito com os trabalhadores apresentassem uma denúncia conjunta", afirmou à AFP Elizabeth Gómez Alcorta, advogada das vítimas.

Ao longo do ano, apenas Muller compareceu ao tribunal durante a etapa das alegações, mas sem pronunciar uma palavra.

Em 1976, quando aconteceu o golpe de Estado que derrubou a presidente María Estela Martínez de Perón, a fábrica da Ford tinha quase 5.000 operários e 2.500 funcionários administrativos.

A fábrica tinha 100 representantes sindicais e 24 deles foram levados para cativeiro, muitas vezes no próprio local de trabalho e com listas elaboradas pela empresa, em represália por seu ativismo sindical, de acordo com a Promotoria.

Vários deles foram torturados na fábrica, na localidade de General Pacheco, na periferia norte de Buenos Aires, antes da transferência para centros clandestinos de detenção, segundo os depoimentos das vítimas.

Todos sobreviveram à ditadura, mas após mais de 40 anos apenas 13 representantes sindicais seguem vivos.

O ex-gerente de relações trabalhistas Guillermo Galarraga chegou a ser processado, mas morreu em 2016 sem que o julgamento tivesse começado. Nicolás Courad, ex-presidente da Ford na Argentina, morreu em 1989, muito antes de qualquer processo judicial.

O julgamento se limita a determinar a responsabilidade dos acusados e não envolve a empresa.

* AFP

 
Hora de Santa Catarina
Busca