Documentos enviados aos EUA mostram clima em SC logo após o golpe militar - Polícia - Hora

Vers?o mobile

 
 

Série especial26/03/2014 | 18h47

Documentos enviados aos EUA mostram clima em SC logo após o golpe militar

Pesquisa coordenada pela Universidade Estadual de Maringá e pela Brown University libera documentos que ajudam a entender a participação do governo norte-americano na ditadura

Documentos enviados aos EUA mostram clima em SC logo após o golpe militar Acervo/Assembleia Legislativa
O deputado Paulo Stuart Wright, que foi preso e cujo corpo está desaparecido desde 1973, está entre os nomes citados pelo relatório do cônsul dos Estados Unidos em Curitiba Foto: Acervo / Assembleia Legislativa

"O período de 4 a 16 de abril foi tranquilo e a única atividade frenética notada ocorreu entre políticos que nunca perdiam a oportunidade de se expressar a respeito de qualquer coisa e que agora encontraram um tema aceitável para isto. É impressionante como o Brasil reconhece agora que estava se tornando um ponto de foco da penetração comunista e a atividade por aquelas autoridades que até poucas semanas atrás se recusavam a tomar conhecimento do fato de que comunistas e esquerdistas ocupavam posições no governo".*

O trecho acima faz parte de um relatório elaborado pelo cônsul americano em Curitiba ao Departamento de Estado Americano em 26 de abril de 1964. Descrevendo detalhes do cenário político de Santa Catarina e do Paraná nos primeiros dias após o golpe militar, o cônsul W. Douglas McLain Júnior, relembra os principais atores políticos da época, as manifestações e, até mesmo, as primeiras prisões feitas no Estado na época.

— Por outro lado, Jade Magalhães, secretário de Segurança Pública de Santa Catarina, é de extrema direita e nos reporta que prendeu pelo menos um liberal que o atacou em público. Ele disse que há pelo menos 40 esquerdistas na cadeia em Florianópolis e aproximadamente 120 na região Oeste do Estado. Alguns dos esquerdistas presos são considerados como realmente perigosos — relata o documento, em tradução livre da reportagem.

O cônsul cita ainda uma queda na popularidade do então governador Celso Ramos nos primeiros dias após o golpe devido ao que considerou uma demora em aderir às forças contrárias ao presidente João Goulart.

Ele recorda de dois nomes que, segundo ele "Santa Catarina gostaria de ver jogados para fora do escritório": Doutel de Andrade, que era vice-governador e deputado federal pelo PTB, e Paulo Stuart Wright, deputado estadual pelo PSP, classificando o primeiro como um "ultra nacionalista de esquerda" e, Wright, como "um esquerdista e membro do diretório estadual do Partido Comunista".

— Um relatório confiável recentemente informou que Wright estava usando a Food for Peace (programa do governo americano para fornecer alimentos em países pobres) para atrair pescadores pobres para a sua confederação de cooperativas de pesca. Eles recebiam mantimentos caso os apoiasse — relata.

E encerra dizendo que o secretário de Segurança Pública esperava que outros dois ou três deputados estivessem logo "na lista negra".

Documentos na internet

O telegrama citado acima é parte de um acervo de 9.872 documentos americanos produzidos entre os anos de 1963 e 1977 sobre a ditadura no Brasil, disponibilizado a partir desta quarta-feira na internet em um portal de pesquisadores da Brown University e da Universidade Estadual de Maringá (UEM) por meio do projeto Opening the Archives (Abrindo os Arquivos).

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a pesquisa é resultado de uma parceria entre as instituições, que digitalizaram e indexaram o material do Departamento de Estado americano e da CIA. Há, até o momento aproximadamente 2 mil documentos na página, que ficará disponível até o dia 10 de abril, quando será lançado oficialmente em um simpósio da Brown sobre a ditadura.

Para consultar todo o acervo, acesse a página do projeto Opening the Archives.

* Tradução livre da reportagem.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Série especial 15/03/2014 | 11h

Eventos em Joinville pretendem debater as consequências da ditadura

A Univille terá atividades abertas à comunidade no dia 31 de março

Reportagem especial 12/03/2014 | 08h32

'O trauma ainda é muito forte', diz integrante da Comissão Estadual da Verdade sobre golpe militar

Naldi Otávio Teixeira tem a missão de examinar e esclarecer as violações de direitos humanos praticadas por motivação exclusivamente política no período

Reportagem especial 12/03/2014 | 08h24

Joinvilense relembra a perseguição sofrida na época da ditadura

Comissão Estadual da Verdade apresenta balanço de suas ações em evento dos 35 anos da Comissão dos Direitos Humanos de Joinville

Reportagem especial 11/03/2014 | 06h08

Mais de 65 pessoas foram presas no Norte de SC após o golpe militar

Comissão Estadual da Verdade tenta resgatar história dos personagens que fizeram parte de movimentos de resistência na região

Reportagem especial 11/03/2014 | 06h06

Evento resgata os 50 anos do golpe militar em Joinville

No mês em que o golpe militar completa 50 anos, “AN” lança série de reportagens sobre o tema. Comissão Estadual da Verdade realiza nesta terça em Joinville uma sessão especial para resgatar as histórias de vítimas

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCPassagens entre Floripa e Porto Alegre saem por mais de R$ 1,8 mil https://t.co/ji1NuEx0ochá 44 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SC"Moro era o chefe da força-tarefa da Lava-Jato", diz fundador do The Intercept  https://t.co/u5msClnLy8há 6 horas Retweet

Mais sobre

Veja também

Hora de Santa Catarina
Busca