Secretaria de Segurança envia reforço ao Litoral Norte para evitar ataques em outras partes do Estado - Polícia - Hora

Versão mobile

Atentados13/10/2016 | 13h36

Secretaria de Segurança envia reforço ao Litoral Norte para evitar ataques em outras partes do Estado

Desde terça-feira à noite até a madrugada desta quinta-feira o clima é tenso nas cidades de Balneário Camboriú, Itajaí e Navegantes

Secretaria de Segurança envia reforço ao Litoral Norte para evitar ataques em outras partes do Estado Fabiano Correia da Silva/Agencia RBS
Na noite de quarta-feira, em Navegantes, quatro suspeitos foram mortos Foto: Fabiano Correia da Silva / Agencia RBS

As ocorrências violentas dos últimos três dias no Litoral Centro-Norte de Santa Catarina fizeram com que a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Estado decidisse por enviar mais reforços à região nesta quinta-feira. O próprio secretário César Grubba entrou em contato com o comando regional da Polícia Militar (PM) para oferecer mais efetivo.

O temor do Estado é que os ataques iniciados na terça-feira possam se espalhar para o restante de Santa Catarina, como ocorreu em três grandes ondas de atentados desde 2012. À tarde haverá uma reunião em Balneário Camboriú para decidir os rumos dos trabalhos e o número de policiais que deve chegar. Na quarta-feira as polícias receberam apoio de 16 servidores de Florianópolis.

Durante a madruga desta quinta-feira ocorreram três ataques. Em Camboriú uma viatura que estava na oficina mecânica foi atingida a tiros. Já em Balneário Camboriú, no Bairro dos Municípios, a casa de um agente temporário da Penitenciária da Canhanduba, em Itajaí, foi alvo de disparos. Na mesma localidade uma caminhonete foi incendiada.

A inteligência policial apurou que a ordem para os ataques veio do Primeiro Grupo Catarinense (PGC). No entanto, na noite de terça-feira um dos suspeitos de ter enviado a mensagem para os atentados começarem foi morto pela PM em Itajaí. Depois disso, outro recado foi disseminado pelos integrantes da facção, que pediam para que os ataques fossem direcionados a policiais e agentes prisionais da Penitenciária da Canhanduba.

A expectativa dos policiais era que durante a última noite não fossem registradas ocorrências. No entanto, a reportagem apurou que uma das linhas de trabalho da polícia é que os crimes da madrugada possam ter sido cometidos por outra facção criminosa a fim de que as investigações possam se direcionar para o PGC.

Além do monitoramento na penitenciária de Itajaí, os trabalhos da inteligência também estão atentos à Penitenciária de São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis, onde estão os principais líderes do PGC em Santa Catarina.

Leia também:
Secretário adjunto de Justiça: "Reivindicações parecem distorcidas"
Confrontos com a PM terminam com quatro mortos em Navegantes

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros