Quatro homens assaltam agência do Banco do Brasil do Campeche e roubam R$ 12 mil - Polícia - Hora

Versão mobile

Pela manhã30/11/2016 | 19h13Atualizada em 30/11/2016 | 19h13

Quatro homens assaltam agência do Banco do Brasil do Campeche e roubam R$ 12 mil

O veículo, um Gol preto, placas ANY-4180, foi localizado pouco tempo depois do crime na Rua Aparício Ramos Cordeiro, a estrada nova da Tapera, também no Sul da Ilha. Até o momento, nenhum suspeito foi detido pelo crime

Foi uma manhã tensa para funcionários e clientes de uma agência do Banco do Brasil no Campeche, Sul da Ilha. Armados de pistolas, três homens assaltaram a unidade que fica às margens da SC-405, por volta das 10h10min, renderam os vigilantes depois de quebrarem a vidraça com uma marreta, limparam o dinheiro dos caixas, roubaram duas armas dos guardas e fugiram em um Gol Preto. Ninguém ficou ferido. A Polícia Militar (PM) atendeu a ocorrência. 

O tenente-coronel Marcelo Pontes, comandante do 4° Batalhão de Polícia Militar, explica que três homens chegaram a agência, quase sem movimento de clientes, poucos minutos depois de sua abertura ao público. Eles tentaram ingressar pela porta giratória e, ao não conseguirem, utilizaram o plano B, que foi quebrar a vidraça com uma marreta, render os vigilantes, e limpar o dinheiro dos caixas.

A agência fica em uma região movimentada, numa rodovia estadual, perto do Terminal de Integração do Rio Tavares (Tirio) e do trevo de acesso à Rua Pequeno Príncipe, a principal do bairro.

— Tinha pouca gente na agência, e a ação foi rápida. Três homens entraram armados, enquanto outro ficou esperando do lado de fora, e roubaram R# 12 mil, além das armas dos vigilantes. Eles fugiram em um Gol preto na direção da Tapera — contou o coronel Pontes.

O veículo, um Gol preto, placas ANY-4180, foi localizado pouco tempo depois do crime na Rua Aparício Ramos Cordeiro, a estrada nova da Tapera, também no Sul da Ilha. Até o momento, nenhum suspeito foi detido pelo crime. 

Delegacias da Polícia Civil passam a responsabilidade da investigação uma pra outra

A reportagem entrou em contato com a delegada Ana Cláudia Ramos Pires, titular da Delegacia de Repressão a Roubos (DRR) da Capital, mas ela afirmou que através de uma portaria da Delegacia Geral de Polícia Civil, datada de cinco anos atrás, quem atende roubos a banco em Florianópolis é a Divisão de Roubos da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC). 

A reportagem da Hora então entrou em contato com dois delegados da DEIC, e ambos garantiram que quem cuida de roubos, sejam eles a banco ou ao comércio, é a DRR. 

A reportagem relatou o impasse entre as delegacias à assessoria de imprensa da Polícia Civil, que confirmou a existência de duas portarias que dão diretrizes diferentes: em uma, a responsabilidade de roubos a banco é da DEIC, em outra, da DRR.  

Mesmo assim, a assessoria informou que a Polícia Civil está investigando o caso. Uma equipe da DRR esteve na agência e já deu início à investigação, de acordo com o informado pela assessoria.

 
 
Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros