"Nunca fui beber em bar com os amigos", diz empresário levado a júri por acidente em Florianópolis - Polícia - Hora

Versão mobile

Justiça07/03/2017 | 16h55Atualizada em 07/03/2017 | 16h55

"Nunca fui beber em bar com os amigos", diz empresário levado a júri por acidente em Florianópolis

Réu Aroldo Carvalho Cruz e Lima foi interrogado diante dos jurados

"Nunca fui beber em bar com os amigos", diz empresário levado a júri por acidente em Florianópolis Cristiano Estrela/Agencia RBS
Réu Aroldo Lima ao lado do advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho Foto: Cristiano Estrela / Agencia RBS

Acusado de causar um acidente que provocou duas mortes na Avenida Beira-Mar Norte, em 2002, o empresário Aroldo Carvalho Cruz Lima foi interrogado na tarde desta terça-feira, em Florianópolis, durante o júri popular realizado para o julgamento do caso.

Em depoimento, o empresário afirmou que permaneceu por pelo menos uma hora no local do acidente, sem deixar de prestar os esclarecimentos necessários. Ele negou ter sido abordado por qualquer policial para fazer o teste de bafômetro e reforçou que não estava alcoolizado no dia dos fatos.

— Hoje eu estaria preparado para este tipo de acontecimento, poderia até orientar alguém. Mas em nenhum momento recebi qualquer tipo de orientação sobre o que fazer. Nunca fui beber em bar com os amigos. Minha vida é do trabalho para casa, da casa para o trabalho — afirmou.

No depoimento, o empresário ainda afirmou que só deixou a Avenida Beira-Mar quando o pai de Vitor, uma das vítimas do acidente, chegou ao local. A alegação foi de que não suportou ver o pai do jovem testemunhar a situação.

Questionado pelo promotor Andrey Cunha Amorim sobre ter acumulado até 120 pontos por infrações na Carteira de Habilitação entre 1996 e 2002, o empresário argumentou que costumava ceder o carro à mulher na época. A maioria das multas, disse Aroldo, teria sido cometida pela mulher.

— Não vou dizer que 100% das multas não eram minhas, mas 95% eram dela — declarou.

Aroldo também foi questionado pelo promotor sobre um acordo judicial já feito com a família de uma das vítimas, na esfera cível. O réu confirmou o acordo, mas disse que agiu por ter sido pressionado por um advogado. 

A fase de debates do júri começou por volta das 16h, com a palavra cedida ao promotor Andrey Cunha Amorim. O advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho, que atua na defesa, vai falar ao júri em seguida.

"É como se tivesse sido ontem", lamenta irmã de jovem morto por empresário em Florianópolis 

Primeira parte de julgamento de empresário termina com depoimento de perito judicial

 
 
 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCVeja imagens de como será o novo terminal de passageiros do aeroporto de #Florianópolis: https://t.co/yFG8KPrs2X… https://t.co/wIDDVyRz0Ihá 30 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCMudanças: Fields não vai mais ser uma casa só de música sertaneja: https://t.co/3DV9g9ulII #Florianópolis #balada https://t.co/lLLh2kaDmXhá 59 minutosRetweet

Veja também

Hora de Santa Catarina
Busca
clicRBS
Nova busca - outros