Justiça aceita denúncia e motorista de Audi vira réu por homicídio qualificado - Polícia - Hora

Versão mobile

 

Florianópolis04/05/2018 | 19h35Atualizada em 04/05/2018 | 19h35

Justiça aceita denúncia e motorista de Audi vira réu por homicídio qualificado

Atropelamentos ocorreram em agosto do ano passado, na saída de uma balada em Jurerê. Além do motorista do Audi, o jovem que conduzia outro veículo e também se envolveu nos fatos foi denunciado por tentativa de homicídio

Justiça aceita denúncia e motorista de Audi vira réu por homicídio qualificado Reprodução / Instagram/Instagram
Jovem de 21 anos em foto publicada na sua rede social com o carro usado por ele no momento do acidente Foto: Reprodução / Instagram / Instagram

O juiz Marcelo Volpato de Souza, da Vara do Tribunal do Júri, aceitou denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC) e transformou em réu Sérgio Orlandini Sirotsky, 21 anos, motorista de um Audi envolvido no atropelamento de três pessoas e a morte de uma delas, em Jurerê, em agosto do ano passado. Volpato seguiu na íntegra os pedidos do promotor Andrey Cunha Amorim, e manteve as tipificações de homicídio duplamente qualificado, dupla tentativa de homicídio qualificada e omissão de socorro. A denúncia tinha sido oferecida na quinta-feira, como mostrou em primeira mão a Hora de SC, e no dia seguinte, já foi aceita. 

A Justiça também aceitou a denúncia contra Eduardo dos Santos Rios, motorista de outro veículo envolvido em outro atropelamento minutos depois, e onde uma quarta vítima foi ferida. A denúncia contra Santos Rios é por dupla tentativa de homicídio qualificada e omissão de socorro às vítimas. Agora, ambos os acusados se tornaram réus na ação penal, cujo pedido de pronúncia do MP/SC requer que os dois sejam julgados perante o Tribunal do Júri, em julgamento popular. A decisão da pronúncia, porém, será definida ao longo do processo. No despacho, Volpato manda citar os réus em 10 dias para que respondam às acusações por escrito.

Para justificar o recebimento da denúncia, o juiz Volpato afirma que a materialidade dos crimes contra a vida se encontra evidenciada nos boletins de ocorrência, laudos periciais e atestado de óbito da vítima Sérgio Teixeira da Luz, entre outras provas expostas pelo MP/SC e aceitas pela Justiça. 

"Ademais, os indícios de autoria estão presentes nos interrogatórios dos réus Sérgio e Eduardo de p. 40-41 e p. 118, respectivamente; nas declarações das vítimas sobreviventes Maycon e Edson; nas declarações dos policiais militares que atenderam as ocorrências e das testemunhas que presenciaram os fatos, bem como das testemunhas que deram carona ao réu Sérgio posteriormente", narra um trecho do documento. 

O juiz Volpato também deferiu o pedido do MP/SC de impor algumas medidas cautelares aos réus. As cautelares são comparecimento mensal em juízo; proibição de acesso ou frequência a bares e casas noturnas e recolhimento domiciliar noturno (das 20 às 6h); proibição de ausentarem-se da Comarca da Capital por mais de 8 dias; suspensão da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor ou a proibição de sua obtenção; e comparecimento ao cartório da Vara do Tribunal do Júri  para entrega de suas carteiras nacionais de habilitação no prazo de 5 dias.

Denúncia

carro , atropelamento , sc-401 , sc-402 , jurerê , norte da ilha , acidente , fuga , audi
Carro usado por Sirotsky horas depois do atropelamento no pátio da 7ª DP, em CanasvieirasFoto: Leonardo Thomé / Agência RBS

Sérgio Orlandini Sirotsky foi denunciado pela morte de Sérgio Teixeira da Luz Júnior, 23 anos, e ferimentos em Rafael Machado da Cruz e Edson Mendonça de Oliveira. Teixeira da Luz foi atropelado no dia 6 de agosto e morreu cinco dias depois, em 11 de agosto. Segundo o promotor Andrey, os homicídios (consumados e tentados) foram duplamente qualificados, com ocorrência de perigo comum e impossibilidade de defesa das vítimas. 

Como perigo à coletividade, o promotor cita que durante a ultrapassagem pelo acostamento, Sirotsky colidiu o seu Audi contra a lateral direita de um ônibus, o que "poderia ter provocado graves resultados aos ocupantes do ônibus e alcançado um número indeterminado de transeuntes e veículos que estivessem eventualmente passando pelo local, de grande movimentação". 

A denúncia contra Santos Rios foi por tentativa de homicídio contra Luz Júnior – que já estava caído no chão – e contra Maycon Mayer – que socorria as vítimas e também ficou ferido. Os atropelamentos atribuídos a Santos Rios ocorreram instantes após o de Sirotsky, quando a pista de rolamento e o acostamento tinham várias pessoas feridas e outras tentando sinalizar o local e preservar as vítimas. 

Contrapontos

O advogado Nilton Macedo Machado, que defende Sérgio Orlandini Sirotsky, afirma que vai estudar com mais calma a denúncia neste fim de semana, para avaliar o deferimento das medidas cautelares contra seu cliente, e como procederá em eventual questionamento a essa decisão da Justiça. Nesta sexta-feira, Machado se limitou a dizer que as medidas cautelares "são incabíveis", pois já se passaram nove meses dos fatos.

— Agora vai começar o processo e verificar se vai ser pronunciado ou não. Agora inicia o processo, temos 10 dias para fazer a defesa preliminar, marca a audiência de instrução e julgamento, ouve-se as testemunhas, e depois decide se pronúncia ou não, se aceita a acusação e manda para o Júri — explica Machado.

O advogado Lucas Stofela, que representa Eduardo dos Santos Rios, afirma que a denúncia é desproporcional, descabida e que acredita "piamente na absolvição" de seu cliente. O argumento utilizado pelo advogado para a afirmação é de que seu cliente "não atropelou o Sérgio Teixeira da Luz", e isso estaria, segundo ele, presente no próprio depoimento de outro ferido, Maycon Mayer.

— A defesa entende que a denúncia foi desproporcional ao fato que efetivamente o meu cliente praticou. Inclusive, a versão que é apresentada como sendo que meu cliente também atropelou a vítima que veio a falecer, o Sérgio Teixeira, ela diverge da versão de outra vítima, o Maycon Mayer. Por isso, é desproporcional, descabida e a defesa acredita piamente na absolvição do meu cliente — afirma o advogado Stofela.

Como foi o acidente

Os atropelamentos aconteceram no início da manhã de 6 de agosto, na SC-402, nas proximidades do Complexo Music Park, em Jurerê, norte da Ilha, em Florianópolis. Segundo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), o acidente ocorreu por volta das 5h30min próximo ao complexo Music Park. As vítimas saíam de uma festa no local quando foram atingidas pelos veículos.





 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCScarlett Johannson torna-se a atriz mais bem paga de Hollywood https://t.co/g2TQu0LQKrhá 4 horas Retweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCFernanda Nobre muda visual e impressiona seguidores com cabelos platinados https://t.co/6qzujH8dSKhá 6 horas Retweet

Veja também

Hora de Santa Catarina
Busca