Laudo sobre a morte da turista de Florianópolis no Rio de Janeiro deve sair em 30 dias - Polícia - Hora

Vers?o mobile

 
 

Investigação em andamento22/11/2018 | 11h10

Laudo sobre a morte da turista de Florianópolis no Rio de Janeiro deve sair em 30 dias

De acordo com a Polícia Civil do Rio Janeiro, este é o prazo necessário para que sejam feitos os exames cadavéricos e para que seja produzido o laudo final

Laudo sobre a morte da turista de Florianópolis no Rio de Janeiro deve sair em 30 dias Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução / Facebook

A causa da morte de Fabiane Fernandes, de 32 anos, moradora de Florianópolis que havia desaparecido em uma trilha em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, deverá ser conhecida em cerca de 30 dias. De acordo com a Polícia Civil do Rio Janeiro, este é o prazo necessário para que sejam feitos os exames cadavéricos e para que seja produzido o laudo final.

Por meio da assessoria de imprensa, a Polícia Civil carioca afirma que será necessário um exame de DNA, que, dependendo do estado do corpo, pode ser demorado. Além disso, serão feitos outros exames para verificar os indícios do que parece ser um homicídio.

Em entrevista ao G1 na manhã desta quinta-feira, 22, o delegado responsável pelo caso, Renato Mariano, titular da 132ª Delegacia de Polícia, em Arraial do Cabo, não descartou o crime de latrocínio (roubo seguido de morte) já que, ainda que o celular tenha sido encontrado ao lado do corpo, a carteira da vítima estava vazia. O delegado também disse que ainda não é possível saber se ela sofreu violência sexual.

Trilha era movimentada

Moradora de Florianópolis desaparece durante trilha em Arraial do CaboFabiane Fernandes, de 32 anos, saiu sozinha para a caminhada
Foto: Reprodução / Instagram

O corpo de Fabiane foi encontrado pelos bombeiros por volta das 15h de quarta-feira, 21, na trilha do Morro da Cabocla. De acordo com o tenente-coronel Marcelo Fidalgo, do 18º Grupamento de Bombeiros Militar de Cabo Frio, o local era relativamente movimentado.

— Não era uma área isolada. Essa trilha é muito frequentada, principalmente por pescadores — relatou o bombeiro.

Diferente do que havia sido divulgado inicialmente, Fidalgo afirmou que, embora tenha havido apoio da equipe do canil, o corpo foi encontrado pelos profissionais da força-tarefa montada para a busca, não por um cão farejador .

Loja de conveniência

Antes de desaparecer, Fabiane Fernandes esteve por dois dias seguidos em uma loja de conveniências num posto de combustíveis no bairro da Prainha, onde tomou café e lanchou. Segundo funcionários do local, ela disse que estava sozinha na cidade e que queria fazer a trilha do Pontal do Atalaia. 

O atendente Iago Patrick disse à reportagem da TV Globo do Rio que conversou com Fabiane. A vítima teria lhe dito que estava hospedada em um apartamento ali próximo. 

— Ela falou que tinha vindo sozinha de Floripa num voo. Mostrou algumas fotos no Instagram dela, que parecia que ela gostava de algo aventureiro, fazer trilha, bicicleta.

Antes de desaparecer em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, Fabiane Fernandes esteve por dois dias seguidos em uma loja de conveniências num posto de combustíveis no bairro da Prainha para tomar café e lanchar. Segundo funcionários da loja, ela disse que estava sozinha na cidade e que queria fazer a trilha do Pontal do Atalaia. As informações são da TV Globo do Rio.
Foto: Reproducão / Reprodução

A câmera de segurança da loja de conveniência gravou Fabiane tomando café no domingo, antes de fazer a trilha. Ela aparece usando um boné, tranquila, digitando no celular. Foi a última imagem dela com vida.

Liberação do corpo

A Polícia Civil do Rio de Janeiro está em contato com a família de Fabiane Fernandes, que mora nos Ingleses, em Florianópolis. De acordo com a assessoria, os familiares são aguardados para que se possa fazer a liberação do corpo, mas ainda serão necessários alguns exames antes que isso aconteça.

Muito abalada com a morte da sobrinha, uma tia de Fabiane afirmou que a família está se organizando para ir até o Rio de Janeiro e que, por enquanto, não há previsão para o translado e o enterro do corpo.

O caso

Conforme familiares de Fabiane, ela viajou para o Rio de Janeiro junto com um companheiro. No domingo, 18, saiu para a trilha sozinha, deixando o parceiro no hotel. 

A última pista deixada por ela foi uma foto publicada nas redes sociais identificando o local como Atalaia, o que, segundo os Bombeiros, mostra que ela desconhecia a região, já que ela estaria na trilha da Prainha. 

Conforme o tenente-coronel Marcelo Fidalgo, do 18º GBM, o corpo de Fabiane, encontrado na quarta-feira, 21, estava a 30 metros da rota da trilha, em meio aos arbustos, nua e com os pertences ao lado.

A moça tinha um filho de 9 anos e morava com a família nos Ingleses. Ela era a administradora de uma pousada.

Leia mais notícias da Grande Florianópolis

 

Siga Hora no Twitter

  • horasc

    horasc

    Hora de SCMercadoria de cigarros aromatizados avaliada em R$184 mil é apreendida na BR-101, em Palhoça https://t.co/ANTfpqwmDThá 31 minutosRetweet
  • horasc

    horasc

    Hora de SCComissão vai comandar Copa Lord até a próxima eleição https://t.co/LEFLvihOHOhá 31 minutosRetweet

Veja também

Hora de Santa Catarina
Busca